Vivemos tempos difíceis por conta do cenário político. Toda discussão fica complicada pela repulsa ao ponto de vista alheio, da propagação de notícias e conceitos falsos e a ausência de coordenação entre os representantes — eleitos ou não. Pelo menos ainda podemos criticar qualquer decisão mal feita, às vezes conseguimos mostrar os argumentos no meio de tanto fervor de pessoas com visões verossímeis apenas quando lhe convém. Já num governo autoritário temos direito a nada, inexiste lados senão o opressor e os oprimidos. A coordenação é eficiente, impõe submissão a todos com condições difíceis de perseverar. Tal regime totalitário incitará rebeldia nas pessoas capazes de ameaçar a opressão, mesmo que aconteça depois de mil anos.

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação mostra o domínio de Una e o desespero de alguns habitantes de Untherak ao descobrir seus segredos. Publicado em 2017 na editora Intrínseca, Felipe Castilho entrega esta fantasia nacional onde a violência é exposta e imposta aos personagens.

“Com requintes de crueldade a cada sílaba”

Untherak é o lar da civilização após os seis Deuses darem a última chance aos seres existentes. Humanos, kaorshs, anões, sinfos, gnolls e os gigantes vivem sob a consequência dos pecados dos ancestrais, todos submissos à vontade dos seis Deuses que se uniram e viraram Una, a governanta imortal da cidade. Com força militar dominante, o general Proghon coordena os soldados — chamados de Únicos — com a ajuda da tenente Sureyya. Centípede é o grupo de arautos da Deusa, com rostos de difícil assimilação. A vontade de Una também é garantida pelos Autoridades, fiscais com permissão de punir qualquer cidadão que falte com as obrigações.

Entre os cidadãos há duas classes. Os servos prestam serviços mais pesados durante seis dias da semana e moram em celas, e os semilivres possuem mais liberdade quanto a tarefas e onde podem ir, mas ainda sujeitos a qualquer demanda do governo. O servo consegue ascender à semiliberdade ao pagar um preço exorbitante ou sobreviver na batalha jamais vencida no Festival da Morte.

Aelian serve no setor de correspondências como assistente de falcoeiro. Apesar de presenciar na pele as reprimendas dos Autoridades, o humano insiste em se arriscar nas ações nada prudentes. Harun é anão e Autoridade, sonha em reconquistar as relíquias dos antepassados, valores quase perdidos no domínio de Una. Ziggy é um sinfo, criatura ainda menor que os anões, assexuado e de pouco tempo de vida; vive com os outros da mesma espécie no Segundo Bosque, nada comparado ao lar original deles, o Primeiro Bosque. Raazi e Yanisha são amantes e kaorshs, espécie com capacidade de mudar o tom da própria pele. Yanisha descobriu o segredo de Una, e quer acabar o reinado dela junto com Raazi desde então. Todos esses personagens conhecem Aparição, um guerreiro oculto com vontade de combater o governo totalitário de Una, portador de espada grande e com a cabeça coberta com o capuz da cor proibida, a vermelha.

“O tempo tem a capacidade de transformar tudo, exceto a si mesmo”

Conhecemos Untherak e seu regime totalitário através das histórias dos personagens citados, em especial Aelian e o casal de kaorshs. Eles têm os próprios objetivos, com o tempo alinhados com o da trama, o de dar um fim a Una e o sistema cruel da cidade. Aparição é o símbolo de ameaça aos Autoridades e Únicos, bem como a esperança a quem é salvo pelo ser excepcional. As demonstrações de violência são constantes, punição é eficiente apenas ao impor medo, muitas pessoas — cidadãos e Autoridades — aproveitam das brechas e vistas grossas para benefício próprio, demonstrando a Lei de Gérson através da fantasia brasileira.

Cada personagem tem as suas particularidades. Passado, problemas e ambições possibilitam empatia enquanto mostra os perrengues do capítulo vigente, demonstram-se verdadeiros a ponto do leitor importar com cada um deles, mesmo quando não de primeira, pode mudar de opinião após descobrir todo o contexto vivido. É fácil compartilhar sorrisos nos momentos pertinentes, bem como prender a respiração ao longo do enredo tenso. Mesmo assim o autor perde algumas oportunidades de aprimorar a empatia por usar verbos de pensamento em certas partes do capítulo. Tais verbos resumem a sensação do personagem sem a repassar ao leitor.

O enredo trabalha a formação e evolução dos protagonistas e impressiona nas reviravoltas. Cenas surpreendem e oferecem o suspense antes de dar a resposta, umas no momento certo, já outras sob entrevistas — diálogos feitos de perguntas e respostas — que despejam a informação no leitor. Seja na construção ou destruição de conceitos, tudo empolga a curiosidade quanto a surpresas reservadas nas próximas páginas.

Ao começar a ler as cenas de ação, espere qualquer resultado. As batalhas ameaçam retalhar seja quem for, lâminas rasgam o corpo sem pudor e terminam vidas importantes, reconstroem o enredo com as consequência levando a novas possibilidades.

“Pessoas prestes a morrer eram bem mais perigosas do que brutamontes”

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação tem ótimos pontos positivos em fantasia e comprova a capacidade de Felipe Castilho como autor brasileiro de ótima qualidade. Com ressalvas quanto a passar a informação e demonstrar sentimentos do personagem em vez de contá-los por verbos de pensamento, ainda assim é preciso congratular pela ambientação e demonstração verossímil de um governo violento que recorre a qualquer alternativa capaz de manter os moradores submissos; o vilão gera a consequência de causar empatia ao leitor nos personagens vivos através das palavras.

“Alguns infernos duram mil anos; outros, um dia. Mas nenhum é melhor que o outro”

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação - capa

 

Autor: Felipe Castilho
Editora: Intrínseca
Ano de publicação: 2017
Gênero: Fantasia
Quantidade de Páginas: 448

Compre o livro

Comentários