Graças ao hábito não é preciso pensar muito ao fazer uma tarefa de rotina, poupando o esforço de nosso cérebro.

Conhecer esta característica nos traz possibilidades de mudanças em vidas pessoais ou até nas estratégias empresariais. Uma vez compreendido, é possível adaptar a rotina com atitudes saudáveis ao invés de comportamentos prejudiciais.

Entre ciclos inconscientes que farão o corpo mexer com pouco esforço da mente, saiba mais sobre o potencial do hábito e o transforme em aliado, uma ferramenta que transformará a sua vida ou a de toda uma organização social.

O Poder do Hábito (Charles Duhigg) - capa

O Poder do Hábito foi publicado em 2012. O livro é de não-ficção e traz narrativas de casos em que foram solucionados a partir da compreensão e alteração dos hábitos. Seu conteúdo é baseado em pesquisas acadêmicas e entrevistas com especialistas e indivíduos relacionados ao caso abordado.

Charles Duhigg é formado em jornalismo, autor de notícias no grande portal New York Times até 2011, mas ainda colabora com algumas matérias ocasionalmente. Começou no mercado literário com um livro sobre produtividade, este baseado em pesquisas e conceitos científicos, dedicação semelhante feita ao trabalho analisado nesta postagem. 

cérebro procura maneiras de poupar esforço

O livro é baseado totalmente em conceitos técnicos, ainda assim há poucos momentos confusos na leitura. Todo o conceito é abordado a partir de acontecimentos reais, uns recentes e outros históricos, esses aparentemente incorrigíveis.  

No decorrer do problema, os estudos feitos sobre o hábito relacionados ao caso são explicado em paralelo. A conclusão da pesquisa é trazida ao contexto do problema como a solução correspondente. 

Os acontecimentos e pesquisas são colocados em forma de narrativa, nada de reportagens extensas de jornalismo ou análises técnicas de monografia. São histórias contadas que se entrelaçam aos conceitos mais complexos; uma excelente forma de trazer o conteúdo de maneira fácil a um público maior. 

Porém esta narrativa possui alguns erros. Falta objetividade em todos os acontecimentos abordados no livro. O texto começava a explicar alguns conceitos, prosseguia com a história, relatava o procedimento da pesquisa, e então repetia o que já tinha sido explicado. Às vezes replicava  a cada alternação da escrita. 

Outro problema, este mais específico, foi na história sobre o incêndio no metrô de Londres. O autor explicou tantos detalhes do incêndio que o foco se perdeu. Eram informações irrelevantes ao tema do livro. 

Todavia são problemas compensados pela qualidade da informação existente no livro. Não prejudicam a obra na minha opinião, apesar de já ouvir relatos de abandonos da leitura por estes problemas. Se fosse mais objetiva, com toda a certeza a obra agradaria os leitores através da leitura concisa.

Um ponto de partida

Bati palmas com o último capítulo do Poder do Hábito. Este serviu de incentivo (leia-se puxão de orelha) em avaliar a si mesmo, tomar consciência dos hábitos e conseguir mudá-los. A mudança é possível, embora muitas vezes difícil. 

Mas também não se engane. Não encontrará a solução do seu problema dentre os nove capítulos sobre os tópicos do hábito. Apesar da pouca dificuldade em entender os conceitos, colocá-los em prática é um desafio que depende da pessoa, cujas atitudes têm motivações diferentes, e com isso, soluções distintas.

Eu mesmo comecei a realizar mudanças na minha rotina durante a leitura do livro. Fiz uma avaliação sobre os hábitos que pretendo mudar, e estou progredindo neste esforço, embora aos poucos como tem de ser.

O livro não trará uma resposta final aos problemas, ele é apenas o início que indica a possibilidade da mudança nos hábitos. Contemple como os diversos ambientes foram transformados com o Poder do Hábito e se encoraja a transformar a si mesmo.

 


Link Externo

O meu post sobre o Hábito descreve um pouco do conceito e sugere algumas maneiras de usá-lo ao seu favor, baseado na leitura deste livro e de outras fontes. Modéstia parte, pode ser um pontapé inicial à leitura do livro desta análise.

Comentários