Alojado em casa, sob horário de almoço, em parques ou na condução de trabalho ou estudo ― nada disso por causa do coronavírus, a resenha foi escrita antes da crise, então permaneça em casa o máximo possível, por favor ―, e entre outras várias situações possíveis de ler livros, todas elas são realizadas em ambiente normal, natural da região correspondente, seja Brasil, Portugal, na região metropolitana de São Paulo ou no pantanal. O leitor permanece acomodado neste tipo de lugar enquanto viaja na leitura por onde as palavras o levam, às vezes a outro país, ou traz a perspectiva do protagonista de situação social diferente, ou ainda convida a conhecer culturas peculiares as do leitor. Esta resenha trata de história sobre esse último caso, e mesmo assim ainda escrito por brasileiro.

A Canção dos Shenlongs é um dos livros publicados no meio independente mais bem reconhecidos, conforme as diversas avaliações positivas disponíveis na internet. Publicado em 2016 por Diogo Andrade, conta a história de Mu, monge guerreiro com muito a aprender a partir do conflito enfrentado nesta história.

“Como shenlong, acredito que todos somos irmãos em jornada”

Mu testemunha a expulsão de monge no templo pela primeira vez, e foi logo com Ruk, o seu irmão. Irmão de criação, cruzaram o mesmo caminho, desentenderam-se e depois ficaram amigos, tiveram a mesma oportunidade de seguir o caminho dos shenlongs no templo Shanjin. A vida segue sem Ruk, Mu continua nas tarefas do templo, no constante desenvolvimento shenlong sob ensinamentos de Sarujin, Shizu, Velha Gilga e Abade Kame, e na companhia dos amigos Nili e Aga, quando possível.

Shanjin é restrito aos monges, únicos cientes de sua localização dentro da floresta de Linshan, também devido a aura capaz de permitir apenas os monges de atravessarem. Ou assim deveria ser, pois os monges ficam apreensivos quando um espadachim desconhecido da maioria dos monges chega no templo, exige conversar com abade e compartilha a notícia surreal: o Império Housai pretende atacar os quatro templos shenlongs, no intuito de conquistar os Tomos das Formas protegidos pelos monges.

“Sejamos firmes como as raízes da montanha”

Narrado em primeira pessoa, Mu divide a narrativa entre contar a história e as impressões dele no momento narrado do passado. Compartilha a rotina de Shanjin, esta que o leitor assimila sem precisar de infodumping, pois Mu conta sobre a vida conhecida por ele, de conhecimento ainda limitado de onde convive conforme ele encara as novidades vindas pelo conflito relacionado a ameaça do Império. Assim o protagonista transmite a sabedoria compartilhada entre os shenlongs, da canção e demais aspectos da cultura, como o próprio meio de defesa.

Falando em defesa, o conflito acontece de forma direta, através de combate, cuja ameaça surge previsível em relação ao protagonista e determinado personagem, apesar de não mencioná-lo ao evitar spoiler por aqui, o conflito entre eles é óbvio e falha em impressionar. A narrativa abordada em primeira pessoa neste livro deixa a desejar nas cenas de reviravoltas ou ações, pois a narração de Mu cede espaço às impressões pessoais dele no meio do acontecimento, onde seria melhor vê-lo ativo em vez de reflexivo, afinal é protagonista além de narrador. Fora quem conta a história, há contradição também no comportamento de outro personagem, ora ele assume a falta de segredos entre os shenlongs, e momentos depois fica todo receoso, recluso aos monges a ponto de recusar a dizer o que sabe do problema eminente. É normal testemunhar alguém ocultando segredos por insegurança, beneficiar de tal segredo ou outro motivo, nenhum desses esclarecidos no enredo deste primeiro volume.

“Preparados para tudo, mas sem nos esquecermos de cultivar a harmonia”

Abordar cultura diferente da acostumada do leitor com eficiência traz conhecimento sobre a mesma, e fazê-la de forma literária fornece a vantagem  de acomodar o leitor a vislumbrar toda esta novidade. A Canção dos Shenlongs distribui partes da sabedoria dos monges em algumas passagens de textos onde a forma de interpretar deles mescla com a linguagem portuguesa escrita pelo autor conterrâneo, formando parágrafos belos de palavras decorrentes desta fusão. Ao entregar primeiro as passagens de sabedoria ordinária do templo onde acontece toda a história, a revelação posterior de capacidades extraordinárias, mesmo já vistas em outras histórias de temática oriental, surpreende no contraste de aparecimento sutil à possibilidade espetacular, incentivada pelo conflito a incitar os personagens e entregarem o melhor de si ao defender os princípios ensinados durante toda a experiência de vida.

A Canção dos Shenlongs aproveita a cultura oriental ao entregar algo peculiar na literatura brasileira. O autor soube aproveitar os conceitos conhecidos dos monges, e através da estruturação do enredo entregou revelações surpreendentes mesmo sobre aspectos comuns a este tema. Faltou aproveitar melhor a escolha narrativa quanto a escrita em primeira pessoa, equilibrar as descrições de ação e reflexão em momentos correspondentes.

“O verdadeiro adversário de um shenlong surge no reflexo da água”

A Canção dos Shenlongs - capaAutor: Diogo Andrade
Editora: publicação independente
Ano de Publicação: 2016
Gênero: Fantasia
Série: Guerras Épicas do Império de Housai #1
Quantidade de Páginas: 97

Compre o  livro

Comentários