Tag: morte

Não Pare! (debut da saga escrita por FML Pepper)

Ter a vida repleta de segredos nunca revelados é complicado. Sempre quando algo deste segredo aproxima, acontece a mudança no sentido literal, mudança de casa, cidade, país. O desconforto só aumenta, ainda mais ao sofrer traumas quase mortais a todo momento, tudo decorrente dos segredos, cujas descobertas resultam na jornada da garota a enfim conhecer quem ela é. Não Pare! é o primeiro volume da trilogia ― além do quarto livro spin-off ― escrita por FML Pepper, autora brasileira de destaque na plataforma da Amazon quando lançou este livro em 2012.

“Ninguém da minha idade está preparado para morrer”

Nina Scott mora em Amsterdã junto da mãe Stela, profissional responsável pela produção de lentes oculares avançadas, serviço que demanda trabalhar em diversos lugares do planeta conforme a necessidade, segundo a mãe. Assim a filha adolescente e a mãe mudam de lugar a todo momento, inclusive acontece de novo depois de Nina quase sofrer um acidente fatal, o próximo destino seria Nova Iorque.

Desanimada de enfrentar outra vez a rotina de escola nova e logo ir embora a outro lugar, Nina fica surpresa quando a mãe diz permanecer de vez nos Estados Unidos. A animação tem prazo curto, pois os segredos ocultos a Nina em seus quase dezessete anos de vida serão revelados, sobre entidades residentes a um plano dimensional oculto à maioria dos humanos, e sobre a ambição alheia desses seres de tomarem a vida da garota.

“Nós somos a antítese da vida, todo nós”

A Nina narra a história em primeira pessoa. Começa sobre a tentativa de seguir a vida normal apesar das dificuldades da mudança constante e os acidentes evitados por pouco. A narrativa oferece a descrição das cenas e o que a Nina pensa naquele momento, demonstra a espontaneidade da protagonista adolescente e quanto a preocupações pertinentes a moças desta idade. Já o excesso de descrições físicas nos personagens apresentados na história engessa a narrativa, prolonga as cenas ao citar detalhes pouco relevantes da história. Variados verbos de dizer acompanham os diálogos, expressando o sentimento do personagem no momento da fala, sendo nem sempre essenciais, e assim alonga o texto. Os capítulos terminam com uma frase disposta a atrair o leitor ao próximo capítulo, também conhecido por gancho, recurso interessante de usar ao narrar cenas de tirar o fôlego e em seguida promete ao leitor que terá mais no próximo capítulo, ou sob estratégias semelhantes. Já neste livro fica apenas a repetição do recurso, isso diminui o impacto por ficar óbvio, ainda mais quando a frase de engajamento vem solta, pois o capítulo poderia terminar sem ela e já seria o suficiente ao desfecho daquele trecho. Tais observações deixariam o texto polido, facilitaria a leitura sem prejudicar o enredo.

Já os apontamentos a partir deste parágrafo abordam assuntos problemáticos. Por volta da metade do livro em diante a protagonista descobre sobre o universo fantástico existente nesta história, e desta parte em diante faz perguntas a todo momento; quase toda frase de diálogo de Nina termina com ponto de interrogação, então o outro personagem despeja a informação sobre a espécie dele. E mesmo assim a protagonista não entende, força a repetição da informação sob mais perguntas.

Foi interessante conferir os desejos íntimos da protagonista no começo da história, quando o perigo ainda tomava força e deixava Nina livre para distrações; agora manter a protagonista pensando em como os seres fantásticos ao redor estariam interessados de namorá-la quando a situação envolvia riscos à vida de todos, destoa do perigo apresentado. A ingenuidade de Nina insiste neste erro também, mantendo relacionamentos já claros de serem falsos, insiste mais ainda no personagem que a maltrata, provoca a todo momento e traça planos ocultos, mesmo assim ela continua a tentar relacionamento com ele.

“No final das contas, resgatar e matar têm o mesmo significado para nós”

Por agendar a publicação desta resenha em setembro, convém chamar atenção sobre a questão do suicídio neste mês dedicado à sua prevenção. A protagonista considera morrer por vontade própria, elencando os problemas que a fazem ter este desejo. Abordar o suicídio em si nas histórias teria problema nenhum, há casos frequentes na vida real e a ficção pode narrar tais acontecimentos a personagens. Porém precisa de cuidado quanto a forma a conduzir esta situação, e citar o suicídio como alternativa frente a problemas, além de descrever o que seria a causa desta intenção, contribui apenas aos péssimos exemplos de conduzir este assunto. Suicídio é questão de saúde pública, jamais uma solução; e quando alguém pensa no ato, é por motivos multicausais, muito além de traumas recentes e pontuais, abordar assim apenas passa mensagens equivocadas.

Não Pare! conduz a história da Nina de forma linear, de ritmo condizente na assimilação da protagonista às novidades de sua vida no começo da história. A metade do texto em diante compromete o livro pelas questões problemáticas expostas nesta crítica, a narrativa falha em introduzir os elementos fantásticos nas próprias cenas, em vez disso oferece capítulos cheios de diálogos explicativos, relacionamentos nada exemplares e ainda assim atrativos à protagonista.


Capa de Não Pare!Autora: FML Pepper
Editora: Valentina
Ano de Publicação Original: 2012
Série: Não Pare! #1
Gênero: fantasia urbana / YA
Quantidade de Páginas: 254

Confira o livro

Para Onde Vão os Suicidas? (Setembro Amarelo)

Suicídio é questão de saúde pública, apesar de sua fatalidade impactar as pessoas de maneiras individuais. Também gera comoção em pessoas inspiradas a apoiar a prevenção, pesquisar sobre o assunto tabu e escrever quanto a isso em vários formatos, seja em matérias, contos, estudos ou histórias específicas. Esta resenha tratará da história Para Onde Vão os Suicidas?, escrito por Felipe Saraiça e publicado pela PenDragon em 2017.

“É o seu corpo quem está preso. Você está livre”*

Angelina nasceu sem mãe, falecida no momento do parto. Permanece na família do pai a prosseguir na vida na companhia da nova esposa, e dela teve outra filha. Angelina encerra a própria vida, e em vez de repousar no além, encontra com a deusa Ixtab a lhe propor um desafio. Antes revela a situação de Angelina, em coma diante da família, e avisa: o corpo permanecerá assim enquanto ela aparecerá apenas a algumas pessoa para tentar impedi-las de cometerem suicídio.

“Na aglomeração de emoções, cada um vivia seus problemas”

Angelina aborda os casos em sequência, focando na pessoa vigente e só depois conhece a próxima de intenções suicidas. O narrador intervém no início de cada caso e apresenta o novo personagem, sendo onisciente, sabe de tudo sobre os envolvidos e mostra a situação dele ao leitor conforme a necessidade. A escolha da narrativa é certeira em dar oportunidade de explorar a intimidade de cada personagem o qual necessita de atenção, e então corresponder à missão de Angelina.

A boa intenção do autor é nítida em relação ao assunto principal do romance, repercutindo em todo o livro ao elaborar frases motivadoras entre os conflitos das pessoas a serem salvas pela Angelina. Porém abordar o tema do suicídio também exige responsabilidade, senão a boa intenção pode acabar causando o efeito reverso. Angelina resolve todos os casos de forma simples, indo direto ao assunto, falando do suicídio; enquanto os personagens reagiram bem ao confessar da intenção a outras pessoas, na realidade há risco de perturbar o indivíduo já conturbado pela intenção. Primeiro deveria estabelecer uma relação de confiança, conversar em busca de compreender os sentimentos do personagem, e só ao ter afinidade, poderia falar do ato pretendido, se planeja ou já possui os meios do qual deseja executar.

Falando dos meios, Angelina vê os itens escondidos pelos quais determinada pessoa pretendia usar, tendo a oportunidade de removê-los ― tirar os meios de suicídio do alcance da pessoa está entre as melhores maneiras de prevenir. Faltou cuidado ao apresentar justificativa ao desejo de cometer o suicídio, pois mesmo que a pessoa acredite ser determinado motivo, a causa tem múltiplos fatores, uns recentes, outros manifestados há mais tempo em períodos intermitentes, portanto afirmar qual problema culmina na intenção de interromper a própria vida oferece uma mensagem equivocada. O autor fez bem em evitar de dar detalhes nas formas as quais os personagens iriam executar na maior parte dos casos, pena haver exceção, esta ainda descrita de maneira violenta, de agressão direta ao corpo.

“Ser diferente pode ser perigoso”

A boa intenção do romance também precisaria de atenção à escrita, sem o devido polimento esperado a de livro publicado. Há frases em parágrafos longos a jazerem dispersas, incapazes de conectar às demais e por isso acabam prejudicando o foco na leitura. Por exemplo: o parágrafo foca na interação de dois personagens, quando uma frase interrompe esta interação e descreve o clima no cenário. Os diálogos falham na veracidade pela intenção de ressoarem mensagens morais, sempre levando ao assunto em vez de mostrar a história acontecer. Verbos de pensamento desencadeiam descrições rasas, contando os sentimentos do personagem em vez de mostrá-lo viver, interagir na cena. Existe falha na revisão inclusive no título, pois “onde” corresponde a localização de um lugar, então ao apontar o destino de alguém a ir até lá, deveria ser Para Aonde Vão os Suicidas?

Mantendo o título na forma publicada: Para Onde Vão os Suicidas? careceu da responsabilidade em tratar do assunto, o qual esbanjou de boa intenção. Todo o contexto e a exploração fantástica entorno do romance possuem excelentes elementos capazes de motivar leitores a desejarem melhorar as atitudes quanto a prevenção do suicídio. Caso tivesse o empenho de pesquisar as melhores maneiras de abordar o assunto, seria uma obra exemplar a conscientizar jovens ― possível público-alvo do livro ― a ter o cuidado de abordar diferentes casos de intenção suicida.

“Deixe que elas vivam suas próprias ilusões”

* citações copiadas conforme apresentadas no livro

Capa de Para Onde Vão os Suicidas?Autor: Felipe Saraiça
Editora: PenDragon
Publicado em: 2017
Gêneros: fantasia / YA
Quantidade de Páginas: 192

Confira o livro

A Morte de Ivan Ilitch, de Liev Tolstói (Antofágica)

A morte é inevitável, esta frase de significado comum e óbvio a qualquer pessoa, exceto quando aproxima a hora dela. Ao experimentar a vida durante toda a existência, de qual maneira poderia acostumar com a morte? Alguns escolhem rememorar os feitos passados, avaliando o quanto valeu a pena viver neles, afinal o momento a seguir é o fim, sem muito a presumir dele senão as consequências da partida. A Morte de Ivan Ilitch explora toda a questão da morte na perspectiva da família de um burocrata russo, escrito por Liev Tolstói em 1886 e traduzido por Lucas Simone na edição da Antofágica, lançada em 2020.

“A história pretérita […] era a mais simples e comum e também a mais terrível”

A história começa com a notícia da morte do protagonista entre os colegas de trabalho. Mal desenvolve a tensão pesarosa da partida do exemplar burocrata, e os colegas já traçam planos quanto a ocupar os possíveis cargos rearranjados a partir da vacância a de Ivan Ilitch. O funeral demonstra a vida das pessoas próximas de Ivan seguindo adiante, já os capítulos seguintes focam na vida do protagonista, desde a educação, formação profissional e familiar, até retomar o acontecimento culminante das cenas do primeiro capítulo.

“Tudo se fazia com mãos limpas, camisas limpas, palavras francesas e, sobretudo, na mais alta sociedade”

O autor conta toda a vida do personagem nesta história sob o gênero de novela, ou seja, de poucas palavras a desenvolver a trama a percorrer todos os anos de Ivan. Assim o narrador recorre a narrativas pontuais, contar passagens de tempo em poucos parágrafos, para então chegar no momento de estender as frases a situações constantes as quais pretende explorar, a consciência do personagem quanto a morte. Durante a descrição pontual da vida do protagonista, o narrador permanece distante, relata sobre os feitos dele e contextualiza os pensamentos diante das etapas da vida. Comentar a passagem desta forma deixa até a entender que esta parte da história é entediante, graças à escrita do autor ocorre o contrário. Ao compilar a história de Ivan, o narrador não conta, e sim mostra os aspectos sociais envoltos ao personagem responsáveis por influenciar determinadas escolhas.

Depois o narrador aproxima do personagem, pois chega o momento de compartilhar a dor dele por meio das palavras. Assim a escrita toma outro rumo, apesar de aproveitar o que trouxe do começo da vida de Ivan nesta novela. As cenas trazem as consequências quanto ao modo de vida do protagonista, agora enfrentadas pelo Ivan moribundo, consciente de sua partida, reagindo da condição a tornar a situação cada vez pior. O narrador segue Ivan até o fim, é incansável enquanto transcreve as palavras sentidas pelo protagonista, assim consegue mostrar ao leitor o sofrimento até chegar ao fim.

A Morte de Ivan Ilitch é um livro bem escrito a ponto de provocar sensações ruins na leitura, de tão realistas ao retratar os últimos momentos de Ivan. Aborda ainda várias questões pontuais da vida burocrata na Rússia na época descrita pelo Tolstói, demonstrando os aspectos sociais de quem trabalhava no serviço público naquela ocasião e as maneiras possíveis de seguir adiante neste tipo de vida tão bem questionada pelo próprio protagonista em determinado momento.

“[…] fez aquilo que seria considerado correto pelas pessoas que ocupavam os mais altos postos”

Capa de A Morte de Ivan Ilitch, na edição da editora AntofágicaAutor: Liev Tolstói
Tradutor: Lucas Simone
Ano da Publicação Original: 1886
Edição: 2020
Editora: Antofágica
Gênero: novela / literatura russa / literatura clássica
Quantidade de Páginas: 312

Compre o livro

Mind Upload e o Pós-Vida no Mundo Virtual

Who wants to live forever? Músicas, histórias e discussões alimentam o desejo de superar as limitações físicas e melhorar os nossos aspectos de vida. A breve história da humanidade traz situações controversas entre a evolução social e tecnológica frente a real melhora nas condições vitais. Nada impede os cientistas de estudarem e buscarem maneiras de transformar nossas rotinas, e isso ainda é bom em muitos sentidos.

Quero abordar no post de hoje quanto a possibilidade de manter a vida humana mesmo após a morte biológica, através do armazenamento e reprodução da mente e do comportamento do indivíduo em ambiente virtual. Será mesmo possível salvar a consciência de alguém no computador e reproduzi-la em outro ambiente? Confira o artigo e saberá mais desta discussão.

Redes Sociais como meio de eternizar pessoas

Os perfis das redes sociais podem dizer muito sobre quem é determinada pessoa. Empresas vasculham os conteúdos compartilhados pelos candidatos de emprego antes de decidir a contratação. Amigos distantes podem manter as relações por esses sites, bem como namorados, que podem causar dor de cabeça após o término e ainda acompanharem a vida do ex no ambiente virtual.

É difícil obter a noção da quantidade de informação pessoal disponível de um usuário nesses sites, pois ela é gigantesca! Chega no ponto de empresas trabalharem na possibilidade de analisar as postagens e interações dos perfis, e então produzir algoritmos capazes de reproduzir os comportamentos depois de a pessoa morrer.

Sim. Você leu isso mesmo.

Rede Social após a morte - mind upload

Eter9 e Eterni.me

Eter9 é uma rede social criada pelo português Henrique Jorge, ainda em fase beta. O usuário da rede faz as postagens e interage com outras pessoas do site sem fazer nada de diferente. E enquanto o utilizam, a inteligência artificial analisa o comportamento de cada perfil para gerar o avatar correspondente àquela pessoa, e então este avatar postaria e interagiria da mesma forma durante a ausência do usuário.

Outra empresa com ideia semelhante é a Eterni.me. Sem rede social própria, ela sugere coletar informações pessoais já disponíveis na internet em outros sites e assim construir o avatar do indivíduo após seu falecimento. Mais ainda, o perfil do falecido poderá interagir com as pessoas vivas e próximas a ele.

Nem tudo são flores

A ideia pode até ser inusitada, pelo menos a execução é possível. A inteligência artificial precisa de muita informação gerada daquele usuário no ambiente virtual, e por isso a eficácia depende dos perfis serem ativos.

Toda esta quantidade da vida digital exposta de alguém acarreta noutras preocupações a serem analisadas. Precisa verificar se essas empresas garantirão a segurança desses dados, do contrário outros podem roubar toda essa informação e fazer atos ilícitos ou sem consentimento. Mesmo os perfis de pessoas mortas podem expor as das vivas por estarem conectados. Certos dados podem demonstrar o momento quando as pessoas estão mais vulneráveis a assaltos ou quais estão sujeitas a golpes de fraudes. Lembre-se que já aproveitaram dados do Facebook para propagar fake news ao público-alvo nas campanhas eleitorais.

Segurança digital - mind upload
Mantenha a informação digital trancada

Mesmo sendo possível, eu duvido quanto a eficácia de reproduzir uma pessoa real através da sua rede social, pois existem muitas maneiras de utilizar esses sites. Nem tudo da vida pessoal é exposto por lá; há quem faça postagens com intenção de criar uma imagem melhor de si, mesmo que seja falsa; além de comportamentos destoantes da pessoa e usuário, como o autor de ameaças virtuais que mal olharia nos olhos de alguém na vida real (felizmente).

Em suma se publica muitos livros do Stephen King, o sistema dessas empresas reproduzirão, na verdade, a pessoa idealizada pelo dono do perfil. E quem presenciar o comportamento emulado pelo avatar, verá a diferença da pessoa em carne e osso.

Mind upload

Tem como eliminar essa dependência de coletar o conteúdo feito pela pessoa afim de emulá-la. Consiste em pegar o cérebro de alguém, mantê-lo intacto até ser possível digitalizar todas as memórias e reproduzir os comportamentos do indivíduo para então ressuscitá-lo através da emulação por programas.

Calma, isso não é Blackmirror ou outra realidade fictícia. Há quem de fato trabalha nisso, como a Nectome.

Nectome é uma empresa de pesquisa dedicada aos estudos da memória. Sua proposta afirma a possibilidade de realizar o mind upload no futuro quando poderá emular a consciência da pessoa em ambiente virtual. Mesmo sendo algo futurista, os pesquisadores garantem de as pessoas de hoje já poderem armazenar seus cérebros através da operação que é garantida… de ser fatal.

Paciente morto - mind upload
O paciente está morto, vida longa à ele!

Destinado a pacientes de doença terminal, a operação consiste em preservar toda a constituição cerebral e mantê-lo assim até ser possível escanear e reproduzir a consciência. Para tal conservação, o cérebro ainda precisa estar ativo, em outras palavras, o humano deve se sujeitar a operação enquanto está vivo. Porém, este procedimento é fatal, e por isso feito apenas em pacientes com possibilidade legal de eutanásia.

A ideia soa absurda, e apesar de já ter pessoas interessadas, pode ser absurda mesmo. A Nectome teve parceria com o Instituto de Pesquisa de Massachusetts (MIT) que logo foi desfeita, pois o conhecimento vigente da neurociência não garante a eficácia da preservação do cérebro, tão pouco há garantia de reviver o cérebro no futuro através da digitalização.

Discussões sem fim

Só porque o MIT recusou uma iniciativa de mind upload e alegou falhas referentes à possibilidade, pouco significa a morte do assunto. Muitas discussões já foram feitas com pontos positivos e negativos, além de muitas outras que virão.

Duvidam da capacidade informática de conter e processar memórias no mesmo nível funcional do cérebro, porém inexiste evidência sobre os sistemas serem incapazes. Falam da impossibilidade de converter as memórias salvas em comportamentos idênticos aos humanos, e a resposta afirma haver avanços na neurociência sobre como as funções neurais funcionam e poderiam adaptá-las na emulação. Contestam da falta de contato físico na pós-vida virtual que resultaria em algo diferente da vida como conhecemos, e o outro lado alega sobre a experiência ser real no ponto de vista do indivíduo cibernético; mesmo considerando a criação do ambiente simulado onde as pessoas mortas conviveriam, ou a transferência da consciência delas em corpos sintéticos, esses de fato são desafios a serem avaliados em etapas avançadas deste estudo.

Discussão - mind upload
Os dois pontos estão certos… em discutir

Citei apenas exemplos vistos em dois artigos discutindo pontos contrários, e o debate com certeza é ainda maior. Este é o modus operandi de toda pauta científica, e deve fazer desta forma. Quanto mais autores de especialidades distintas entrarem na conversa, maior será o entendimento do assunto sobre a viabilidade.

É uma causa perdida?

E mesmo o mind upload sendo, no máximo, uma possível realidade apenas no futuro, significa que esses estudos feitos no presente geram pouco ou nenhum resultado? Pelo contrário! Pesquisas com objetivos distantes como esse podem beneficiar pontos intermediários.

Já disse no meio daqueles argumentos contrários sobre estudos da neurociência que descobrem como o sistema neural funciona e possibilita no futuro a reprodução dessas funções pelos programas de emulação da mente. Todo este estudo pode também gerar conhecimentos avançados e com esses dar oportunidades a outras pesquisas, como as de tratamento contra doenças degenerativas do sistema nervoso. Ou seja, quando ver pessoas se voluntariando em operações como a Nectome, não pense nelas como iludidas ou fanáticas por uma capacidade improvável, pois eles podem tornar possível os estudos capazes de curar doenças.

Pelo bem do mundo - mind upload
Pelo bem do mundo e da vida

Vivemos na época onde mind upload existe somente em ficção ou na obsessão de pesquisadores e idealistas ao futuro. Eu trouxe motivos para desconfiar dessas iniciativas atuais, e por outro lado mostrei benefícios em tópicos paralelos nesses estudos de resultado improvável. Sou a favor quanto ao prosseguimento dessas pesquisas e o incentivo à discussão como em qualquer outro tópico científico. Já sobre me sujeitar ao pós-vida, ainda prefiro tentar me eternizar através dos meus textos, deixando-os disponíveis mesmo após da minha morte.

Referências

** Todos os artigos usados como referência estão em inglês, infelizmente. **

Site da Eter9

Artigo sobre Eterni.me

Artigo sobre a Nectome

O rompimento entre MIT e Nectome

História sobre o neurocientista que deseja salvar a humanidade em computador

Sua mente jamais será armazenada em computador

Resposta ao artigo “Sua mente jamais será armazenada em computador”

A Face dos Deuses (Crônicas da Aurora vol. 1)

A morte fede, traumatiza e pode transformar pessoas. Atitudes imprevisíveis desencadeiam desastres, além de outras ações ousadas. Na violência constante, a vida escapa do corpo com poucos movimentos. A morte salva os responsáveis por causá-la.

Algo cruel de dizer, porém a realidade é esta. Heróis perdem lugar a assassinos, os personagens cinzentos estão de tons mais escuros. Mate se quiser sobreviver, os civis do reino querem o mesmo caminho, cientes de garantir o futuro longo e próspero através do presente breve e mortal.

A Face dos Deuses apresenta os conflitos existentes entre os três países do continente Dünya. Publicado em 2017, é o primeiro volume d’As Crônicas da Aurora, saga de muita violência e eventos sangrentos.

A Face dos Deuses - capa

Gleyzer Wendrew é autor independente. Além de escrever, trabalha na agência Hydra Produções Editoriais, com serviços a autores com revisão e copidesque, capa, diagramação e assessoria editorial. Também atua como co-host no podcast Leituracast de Autores para Autores, onde um autor convidado fala do tema sugerido no episódio correspondente.

Fez tudo que podia para impedir que sua vida escoasse pelas pedras

Dünya é dividida em três países. Vatra fica ao norte do continente e tem treinamento rígido com novos soldados, é o responsável por desencadear a Longa Guerra que deixa marcas até o momento vigente na trama. Maäen tem o maior território do continente e venceu a Longa Guerra. Venn é o menor dos países, conhecido pela barreira natural das montanhas.

Os povos deste continente acreditam em deuses originais do universo criado. Cada país é mais atento a certos deuses conforme as crenças e eventos vistos.

Apesar da vitória, a Longa Guerra deixa várias perdas; e apesar da derrota, não houve rendição absoluta. O livro conta os acontecimentos e decisões dos principais líderes de cada país (reis, príncipes, generais e comandantes), todos amargurados pelas consequências sofridas no passado. Sem distinção de oprimidos ou opressores, eles garantem a sobrevivência do reino associado através de atitudes extremas, dando ótimas oportunidades para chocar o leitor.

Estava sujo e fedia a raiva e suor

Minha apresentação do enredo citou sequer um personagem da trama por motivo bem simples: são vários, muitos personagens presentes nas cento e poucas páginas do livro. Conhecemos eles a partir das descrições, principalmente pelas atitudes, e as mais chocantes facilitam de lembrar quem é tal pessoa na história.

Gleyzer sabe como aproveitar as figuras de linguagem. Mistura metáforas nas descrições e confunde os sentidos do leitor com combinações ilógicas, mas que provocam a imaginação. É preciso preparar o estômago para as outras descrições, não basta ler o lado visceral dos países em guerra, certos ambientes respiram gore no dia a dia.

A Face dos Deuses é uma introdução aos conflitos a vir em Dünya enquanto oferece detalhes da Longa Guerra no passado. Eu adoraria que o livro entregasse mais, teve muito pouco conteúdo para a proposta deste universo e dos muitos personagens. A história fica com lacunas pendentes ao próximo volume, onde espero ficar satisfeito com o preenchimento dessas.

Links Externos

Compre o livro

Conheça a Hydra Produções Editoriais

Confira o podcast LeituraCast de Autores para Autores

A Fúria dos Reis

Um reino está instável, repleto de conspirações entre pessoas que mesclam sua servidão aos interesses próprios, além de disputas externas para tomar o trono real. A população sofre, indiferente aos fidalgos com interesses nada altruístas. Cada ação, pensamento ou erro traz as suas consequências, mas mesmo quem joga as regras do jogo — sem regras, na prática — paga a derrota com a própria vida. 

Surge uma oportunidade de se tornar o novo rei, ou governar apenas a região pertencente à sua família. Além da competência, a conquista dependerá de muitos fatores históricos e políticos. Exigem mais do que uma pessoa consegue assimilar. 

A Fúria do Reis é o segundo volume d’As Crônicas de Gelo e Fogo, saga de livros famosa também pelo seriado Game of Thrones. Publicado pela primeira vez em 1998, este volume prossegue a saga iniciada na Guerra dos Tronos, quando os lordes de vários reinos se proclamam reis e disputam uma guerra a Westeros, cada um com suas ambições. 

A Fúria dos Reis - capa

George R. R. Martin é o escritor famoso reconhecido graças a esta mesma saga. Jornalista, fã de quadrinhos e responsável por criar um mundo imenso com muita história para contar. 

Nos dias que correm todo tipo de gente se intitula rei 

A história começa com o cometa vermelho atravessando o céu sobre os reinos de Westeros até as cidades livres. Cada reino faz sua interpretação do evento, assumindo como um presságio favorável às suas ambições. Esta presunção alimenta o desejo já incitado com o domínio de Westeros instável, graças aos acontecimentos do volume anterior e pelas conspirações constantes de quem deseja tomar o poder ou se beneficiar. 

Entre tentativas impossíveis e resultados improváveis, a situação foge da concepção, e os diversos personagens precisam se adaptar rápido, cientes da falta de garantia de sobrevivência frente às mortes súbitas. 

Aço das espadas não matam ninguém, e sim as pessoas que empunham, essas embriagadas pelas obsessões nem sempre correspondentes à sua realidade. Longe de ser um mundo justo, as ações de cada personagem ainda trazem consequências. 

Eis uma história boa para fazer os homens chorar 

Acompanhamos a história através dos pontos de vistas de alguns personagens, cada capítulo focando em um. Nem sempre tal personagem é o protagonista do episódio, ele apenas colabora com o andamento da história como testemunha dos acontecimentos dos demais. 

Mesmo se reagir aos problemas, a situação nunca estará sob seu controle.  Leva a medidas desesperadas, e pouco importam seus motivos, não há recompensa aos bons atos, mas reveses que prejudicam quem menos espera. 

Sem personagens bons ou maus, todos retratam a busca de suas ambições reforçadas pelo ego. Beira ao inacreditável a quantidade de personagens, e mesmo assim todos eles parecerem reais. Ninguém é coadjuvante, todos têm a própria história dentro da saga de Westeros e nas Cidades Livres, é evidente mesmo quando lemos apenas no ponto de vista de alguém em específico. 

As descrições mostram o mundo de Westeros conforme contam a história e dita seu ritmo, porém há parágrafos que poderiam ser polidos. Algumas breves explicações e definições poderiam ser descartadas e colaborar com uma leitura mais dinâmica, pois já estavam implícitas. Refiro só a essas frases breves, e ao considerar o calhamaço deste volume, já seria o suficiente para suavizar a longa leitura. 

Aprecie centenas de páginas com uma fantasia repleta de conflitos políticos e individuais, cujo protagonismo inexiste e favorece a ninguém. Descubra uma das batalhas mais memoráveis entre exércitos ou reveja em palavras as cenas mais marcantes da série de TV, sem falar das outras exclusivas do livro livre de limites de orçamento ou elenco. A Fúria dos Reis alinhou diversas histórias à trama complexa, esta que continua em A Tormenta de Espadas. 

Pedro Páramo (Juan Rulfo)

Nem sempre uma carreira é definida por publicar muitos escritos durante sua vida. Um livro de 100 páginas rendeu inúmeros trabalhos acadêmicos, e a soma de páginas escritas desses trabalhos são bem mais do que o autor escreveu por toda a sua vida. 

Esta obra vai além do que contar uma história, ela representa a população de lugares remotos. A visita em um lugar repleto de mortos deixa a atmosfera macabra, e então mostra a realidade ainda pior. 

Pedro Páramo é a obra ímpar com narrativas variadas e fora de ordem temporal. Publicada em 1955 ao público e depois eternizada nos trabalhos acadêmicos. 

Juan Rulfo é o responsável pela obra. Escritor mexicano, publicou somente um livro de contos além de Pedro Páramo, e jamais publicou outros trabalhos. 

Estou cheirando que alguém morreu no povoado 

Juan Preciado vai até Comala, um vilarejo remoto do México onde mora seu pai, Pedro Páramo. Nunca conheceu seu genitor, mas prometeu a sua mãe que o conheceria um dia e partiu após a morte dela. 

Seu pai governava o lugar com crueldade. Pedro Páramo eliminava qualquer oposição de quem pensava diferente, teve vários filhos bastardos, sem reconhecer seu único filho legítimo. 

Juan conhece algumas pessoas por lá, e descobre aos poucos a condição de cada um: estão todos mortos. Nem sempre o sujeito sabe disso, pois eles vagam pelo vilarejo normalmente. É uma jornada para conhecer seu pai, enquanto a jornada do leitor será a de conhecer as pessoas de Comala. 

Todos escolhem o mesmo caminho; todos se vão 

O texto começa a narrativa em primeira pessoa, quando Juan Preciado introduz a história ao leitor. No decorrer do livro outros personagens narram a sua história e a cronologia dos eventos contados é fora de ordem. 

Não é uma história sobre aventura ou a vida de um personagem. É a apresentação crua da vida de um vilarejo pequeno, distante de tudo. Passa-se por pessoas de diversos níveis, todas relacionadas ao dom Pedro Páramo, aquele quem dita o que acontece nessas terras. 

Não tive uma experiência de leitura igual a esta. As diversas vozes e tempos me levaram ao povoado, deixaram-me confuso e freou meu ritmo para assimilar melhor o lugar mostrado. É uma obra que causa discussões internas com o leitor, os murmúrios das diversas vozes ecoa e provoca uma sensação ímpar conforme vira as páginas.

Aproveite as cem páginas sem pressa, estranhe os sussurros dos moradores da Comala, e assimile a cultura mexicana através dos mortos deste livro.

Morte em Luto (Não ao Suicídio)

Este foi o primeiro texto escrito por mim com a intenção de abordar a prevenção do suicídio. Decidi compartilhar no blog após revisar o conto.

Boa leitura!

Morte em Luto - árvore

O sol castigava o solo com sua intensidade impiedosa no sertão, restringindo a ligeira manifestação de umidade para um nível ainda mais ínfimo. Senhor Inocêncio perambulava com sua pá repousada em seu ombro depois de mais um sepultamento realizado, o quarto somente naquele dia.

O suor refletia o brilho da luz sobre a barba grisalha enquanto o humilde chapéu de palha protegia modestamente a cabeça ausente de qualquer fio de cabelo. No passado o tom de pele estava aquém do que seria considerado um homem de cor, mas o período de cinquenta anos de trabalho a céu aberto no mesmo local definiu uma nova tonalidade ao seu corpo.

Interrompeu seu percurso ao fitar uma criança sozinha sobre o balanço instalado num grosso galho do umbuzeiro. A menina apenas permanecia sentada no banco suspenso de madeira, com a cabeça abaixada e uma foice em sua mão direita.

Os trapos vestidos por ela eram de um pano espesso, recortado improvisadamente para adequar às dimensões da garotinha pequena. O único aspecto peculiar é a cor preta da vestimenta. Ninguém ousava vestir nada escuro sob um clima tão quente.

Seus pés estavam descalços, com algumas unhas quebradas como as de qualquer pessoa trabalhadora no campo, principalmente os desfavorecidos de se ter ao menos um par de calçados, sendo o caso dela.

Ao chegar mais perto dela, via-se lágrimas percorrendo em seu corpo até se juntar às demais numa pequena poça cheia delas no chão. Seu rosto estava imundo, como o resto de sua pele negra, e a mão com a qual mantinha sua foice empunhada estava cheia de calos. Uma visão triste como a de qualquer outra naquele lugar.

“Boa tarde, senhor Inocêncio.” Os olhos verdes maquiados com sombra borrada encaravam o coveiro se aproximando.

Opa, menina! Pode descansar o quanto tu quiser nessa balança. Parece que teve um dia difíci hoje.” O sorriso sincero do coveiro não foi capaz de animar a menininha, embora ela também tenha respondido com uma flexão nos lábios. “E como sabe meu nome?”

“Eu não estou descansando, Inocêncio. Estava esperando pelo senhor. Como pode ver eu empunho uma foice para ceifar o que deve ser colhido, mas não sou uma colhedora de verduras. Eu ceifo almas, e está na hora de eu pegar a sua, pois eu sou a Morte.”

Ficava evidente o semblante tenso na garota ao ter de explicar o seu trabalho para mais uma pessoa. Desviou seu olhar da vítima, a garganta ficou contraída ao terminar sua fala ao mesmo tempo em que exerceu mais força na mão que segurava a foice; da mesma forma que acontecia todas as outras vezes.

As feições de suas vítimas mudavam abruptamente ao anunciarem o seu fim, os lamentos se manifestavam de uma só vez no indivíduo, transformando-o em uma criatura desesperada por achar sua partida acontecer cedo demais.

Só que isso não ocorreu com o coveiro. Seu instrumento de trabalho foi ao chão, mas seu sorriso não desvaneceu, na verdade até abriu-se para apresentar os dentes amarelados entre alguns vãos dos que já não estavam presentes em sua boca.

Intão posso dizer que a gente é colega de trabalho? Por causa de tu eu tive bastante serviço essa semana.

“Sua reação me impressiona, Inocêncio. A maioria teme à mim quando eu me apresento a eles, até mesmo para quem convive com a morte durante toda a vida.”

É natural partir, minha fia. Não posso me deixar triste agora que descobri que a morte é tão bonita.

O elogio arrancou um sorriso verdadeiro na garota. Não se esperava um tratamento admirável numa ocasião tão desconfortante. No entanto até ela mereceria uma frase carinhosa nesse dia.

Tu sempre lamenta quando leva a vida do povo?” questionou Inocêncio.

“Desculpe, não costumo ser assim. É que hoje aconteceram muitas coisas ruins.

“Tive de ceifar muito mais do que o previsto”, continuou a garota. “O fim acontece em muitos lugares distantes, mas a maioria é premeditada. Só que hoje muitas pessoas antecederam sua morte cometendo suicídio. É uma atitude pensada muitas vezes de cabeça quente, que é executada praticamente na hora e sem algum planejamento.”

Um vento seco derrubou algumas das poucas folhas da árvore que caiu nos cabelos avermelhados da menina, não que alguns ramos secos a mais sobre o seu corpo a incomodasse.

“Isto aumenta a minha carga de trabalho pelo número de pessoas a mais sem nenhuma previsão, e eu não gosto de coletar almas desta forma. Quantas vezes eu já não testemunhei um indivíduo que teria seu grande sonho realizado caso não tivesse se matado um mês antes? Sem falar da tristeza dos familiares ao descobrirem o ocorrido, sendo que alguns eu ainda vi se lamentando pela sua perda quando eu os reencontrava para recolher sua alma.”

A maquiagem da criança tornou a ficar ainda mais borrada, com riscos negros rabiscados até a bochecha, e Inocêncio tirou o sorriso de seu rosto.

Intendo sua dor, menina bonita. Aqui nesse tempo todinho de trabalho tive poucos casos desse, mas era de partir o coração.

“Obrigada por me permitir desabafar, o senhor é muito gentil. Talvez o mais simpático que conheci por um bom tempo.” Seus soluços intermitentes ficaram mais fracos, e a voz menos esganiçada. “Estou até feliz em finalmente poder te livrar daquelas tosses cheias de sangue, do incômodo da urina que não consegue atravessar as pedras em seu rim, e de sua coluna comprometida que o senhor disfarça tão bem enquanto exerce seu ofício com tanto afinco.”

A garota desceu da balança, e um vento gelado chegou repentinamente às costas de Inocêncio, como se o sol tomasse distância somente dele naquele momento. A menina o fitava enquanto ele ficava de joelhos, finalmente cedendo após suas pernas tremerem desde o último enterro, uma fadiga a ser extinta em breve para o repouso eterno.

“Basta um toque meu em qualquer parte do seu corpo para tudo acabar”, explicou a mocinha. “Como deseja ter seu fim, Inocêncio?”

Se posso escolher o jeito, intão eu não exijo mais que um beijo na bochecha esquerda, igual a minha netinha Adria me dava todas as manhãs, até sepultar ela há três semanas atrás.

“Você realmente é um amor de pessoa, Inô. Logo reencontrará Adria bem ao seu lado.”

Conforme pedido, os lábios quentes estalaram na bochecha do coveiro o qual deu um último suspiro para se despedir da terra seca. Uma chama branca tornou-se presente na foice da menina, colhendo finalmente a alma do coveiro mais simpático dos cemitérios, cujo corpo estava repousado e protegido da luz sob os galhos da árvore sagrada do sertão.

© 2020 XP Literário

Theme by Anders NorenUp ↑