Tag: feminismo

Madame Bovary (Gustave Flaubert)

Existe algo em comum entre a categorização desta obra em romance moderno e a repercussão após a publicação: incitou discussões interessantes sobre quedas de paradigmas. No primeiro caso há a disputa com livro Dom Quixote quanto a qual dos dois inaugura como romance moderno, no segundo tem acusações direcionadas ao autor por transgredir conceitos já estabelecidos, seja provocar paródias sobre romances de cavalaria ou desnudar o adultério em meio a críticas à moral cristã e demais insinuações de deboche do autor. As qualidades vão além dessas, como será visto ao longo desta resenha.

Madame Bovary é a obra geradora de polêmicas e qualidades literárias. Publicado pela primeira vez em 1856 por Gustave Flaubert e com edição em 2007 pela editora Nova Alexandria sob a tradução de Fúlvia M. L. Moretto, conta da rotina provinciana em vila remota francesa e das aventuras de adultério cometidas por Emma Bovary.

“Aliás, não era ela uma mulher da sociedade e uma mulher casada? Uma verdadeira amante, enfim?”

Primeiro apresenta Charles Bovary desde a infância, um garoto tímido com dificuldade de falar o próprio nome, incapaz de conquistar reconhecimento ao longo da vida. Mesmo depois de estudar medicina, conseguiu apenas graduar como oficial de saúde em vez de doutor, e ainda assim com dificuldade. Segue na vida adulta, ausente de acontecimentos extraordinários. Tem uma esposa, cujo matrimônio dura pouco pela morte abrupta dela. Viúvo ainda jovem, trocou olhares com a Emma, filha do cliente Sr. Rouault, e logo realizou o novo casamento.

Deste momento em diante a Sra. Emma Bovary ganha espaço na narrativa. Ela sofre infelicidades a princípio difíceis de reconhecer, pois o matrimônio soa diferente dos muitos conferidos por ela nos romances literários. Alcançava algum prazer na vida quando interagia em ambientes alheios aos do marido, desejando tê-los com mais frequência e assim conhecer mais pessoas interessantes, homens interessantes… Primeiro com León, e com Rodolphe fica mais intenso. Ela cede à loucura de romper o compromisso fiel e sucumbe no amor vindo de alguém diferente a quem prometeu amar.

“[…] considerava a música menos perigosa para os costumes do que a literatura”

O foco narrativo alterna durante o romance, e isso acontece de um parágrafo a outro, focando também nos demais personagens além do casal protagonista. A mudança de perspectiva adapta não apenas o que o personagem focado presencia, mas ainda reflete o pensamento dele, expõe a opinião sobre determinado assunto conforme a experiência de vida, esta também relatada quando preciso. Nenhuma mudança de foco ou abordagem é explícita, cabe ao leitor perceber as nuances conforme a leitura, favorecendo assim o ritmo narrativo, interessado em mostrar a história.

Tal cuidado permanece na forma de conduzir as descrições, oscilando entre diálogos expostos ou descrevendo a fala do personagem no mesmo parágrafo, este último é na verdade um recurso com que garantiu reconhecimento ao autor pelo uso do discurso indireto livre, aproveitado em obras posteriores ao constatar sua eficiência. Assim uma cena com inúmeros personagens interagindo e conversando poderia ser escrita sem precisar de cada passagem dita em diálogo, fundindo falas com a narração, pintando tudo num mesmo quadro ao invés de desmembrar a imagem descrita em parágrafos quebrados.

Ambientado em vila humilde, a história tem propostas e críticas ousadas na época quando foi publicada. Discute as mudanças políticas após a Revolução Francesa conforme as interações entre os personagens for oportuna. Provoca ceticismo ao cristianismo a partir de determinado personagem numa época e país em que desenvolveu o iluminismo. Já a trama central nem precisa de comentários, a de tornar protagonista uma mulher adúltera, uma afronta aos bons costumes! Além de outras segundas intenções pontuais, sempre a implicar a sociedade pretensa a manter as aparências sem esforçar em corrigir as condutas quando elas estão ocultas.

Madame Bovary é um trabalho de destaque em seu tempo por transgredi-lo e sugerir novos meios de contar uma história. Dentre outras qualidades, abriu oportunidades a romances posteriores em arriscar, questionar valores vigentes por meio do exercício literário.

“Ela bem que gostaria de apoiar-se em algo mais sólido do que o amor”

Madame Bovary - capaAutor: Gustave Flaubert
Ano de Publicação Original: 1856
Editora: Nova Alexandria
Edição: 2007
Tradutora: Fúlvia M. L. Moretto
Gênero: ficção / clássico
Quantidade de Páginas: 360

Compre o livro

© 2020 XP Literário

Theme by Anders NorenUp ↑