Este foi o primeiro texto escrito por mim com a intenção de abordar a prevenção do suicídio. Decidi compartilhar no blog após revisar o conto.

Boa leitura!

Morte em Luto - árvore

O sol castigava o solo com sua intensidade impiedosa no sertão, restringindo a ligeira manifestação de umidade para um nível ainda mais ínfimo. Senhor Inocêncio perambulava com sua pá repousada em seu ombro depois de mais um sepultamento realizado, o quarto somente naquele dia.

O suor refletia o brilho da luz sobre a barba grisalha enquanto o humilde chapéu de palha protegia modestamente a cabeça ausente de qualquer fio de cabelo. No passado o tom de pele estava aquém do que seria considerado um homem de cor, mas o período de cinquenta anos de trabalho a céu aberto no mesmo local definiu uma nova tonalidade ao seu corpo.

Interrompeu seu percurso ao fitar uma criança sozinha sobre o balanço instalado num grosso galho do umbuzeiro. A menina apenas permanecia sentada no banco suspenso de madeira, com a cabeça abaixada e uma foice em sua mão direita.

Os trapos vestidos por ela eram de um pano espesso, recortado improvisadamente para adequar às dimensões da garotinha pequena. O único aspecto peculiar é a cor preta da vestimenta. Ninguém ousava vestir nada escuro sob um clima tão quente.

Seus pés estavam descalços, com algumas unhas quebradas como as de qualquer pessoa trabalhadora no campo, principalmente os desfavorecidos de se ter ao menos um par de calçados, sendo o caso dela.

Ao chegar mais perto dela, via-se lágrimas percorrendo em seu corpo até se juntar às demais numa pequena poça cheia delas no chão. Seu rosto estava imundo, como o resto de sua pele negra, e a mão com a qual mantinha sua foice empunhada estava cheia de calos. Uma visão triste como a de qualquer outra naquele lugar.

“Boa tarde, senhor Inocêncio.” Os olhos verdes maquiados com sombra borrada encaravam o coveiro se aproximando.

Opa, menina! Pode descansar o quanto tu quiser nessa balança. Parece que teve um dia difíci hoje.” O sorriso sincero do coveiro não foi capaz de animar a menininha, embora ela também tenha respondido com uma flexão nos lábios. “E como sabe meu nome?”

“Eu não estou descansando, Inocêncio. Estava esperando pelo senhor. Como pode ver eu empunho uma foice para ceifar o que deve ser colhido, mas não sou uma colhedora de verduras. Eu ceifo almas, e está na hora de eu pegar a sua, pois eu sou a Morte.”

Ficava evidente o semblante tenso na garota ao ter de explicar o seu trabalho para mais uma pessoa. Desviou seu olhar da vítima, a garganta ficou contraída ao terminar sua fala ao mesmo tempo em que exerceu mais força na mão que segurava a foice; da mesma forma que acontecia todas as outras vezes.

As feições de suas vítimas mudavam abruptamente ao anunciarem o seu fim, os lamentos se manifestavam de uma só vez no indivíduo, transformando-o em uma criatura desesperada por achar sua partida acontecer cedo demais.

Só que isso não ocorreu com o coveiro. Seu instrumento de trabalho foi ao chão, mas seu sorriso não desvaneceu, na verdade até abriu-se para apresentar os dentes amarelados entre alguns vãos dos que já não estavam presentes em sua boca.

Intão posso dizer que a gente é colega de trabalho? Por causa de tu eu tive bastante serviço essa semana.

“Sua reação me impressiona, Inocêncio. A maioria teme à mim quando eu me apresento a eles, até mesmo para quem convive com a morte durante toda a vida.”

É natural partir, minha fia. Não posso me deixar triste agora que descobri que a morte é tão bonita.

O elogio arrancou um sorriso verdadeiro na garota. Não se esperava um tratamento admirável numa ocasião tão desconfortante. No entanto até ela mereceria uma frase carinhosa nesse dia.

Tu sempre lamenta quando leva a vida do povo?” questionou Inocêncio.

“Desculpe, não costumo ser assim. É que hoje aconteceram muitas coisas ruins.

“Tive de ceifar muito mais do que o previsto”, continuou a garota. “O fim acontece em muitos lugares distantes, mas a maioria é premeditada. Só que hoje muitas pessoas antecederam sua morte cometendo suicídio. É uma atitude pensada muitas vezes de cabeça quente, que é executada praticamente na hora e sem algum planejamento.”

Um vento seco derrubou algumas das poucas folhas da árvore que caiu nos cabelos avermelhados da menina, não que alguns ramos secos a mais sobre o seu corpo a incomodasse.

“Isto aumenta a minha carga de trabalho pelo número de pessoas a mais sem nenhuma previsão, e eu não gosto de coletar almas desta forma. Quantas vezes eu já não testemunhei um indivíduo que teria seu grande sonho realizado caso não tivesse se matado um mês antes? Sem falar da tristeza dos familiares ao descobrirem o ocorrido, sendo que alguns eu ainda vi se lamentando pela sua perda quando eu os reencontrava para recolher sua alma.”

A maquiagem da criança tornou a ficar ainda mais borrada, com riscos negros rabiscados até a bochecha, e Inocêncio tirou o sorriso de seu rosto.

Intendo sua dor, menina bonita. Aqui nesse tempo todinho de trabalho tive poucos casos desse, mas era de partir o coração.

“Obrigada por me permitir desabafar, o senhor é muito gentil. Talvez o mais simpático que conheci por um bom tempo.” Seus soluços intermitentes ficaram mais fracos, e a voz menos esganiçada. “Estou até feliz em finalmente poder te livrar daquelas tosses cheias de sangue, do incômodo da urina que não consegue atravessar as pedras em seu rim, e de sua coluna comprometida que o senhor disfarça tão bem enquanto exerce seu ofício com tanto afinco.”

A garota desceu da balança, e um vento gelado chegou repentinamente às costas de Inocêncio, como se o sol tomasse distância somente dele naquele momento. A menina o fitava enquanto ele ficava de joelhos, finalmente cedendo após suas pernas tremerem desde o último enterro, uma fadiga a ser extinta em breve para o repouso eterno.

“Basta um toque meu em qualquer parte do seu corpo para tudo acabar”, explicou a mocinha. “Como deseja ter seu fim, Inocêncio?”

Se posso escolher o jeito, intão eu não exijo mais que um beijo na bochecha esquerda, igual a minha netinha Adria me dava todas as manhãs, até sepultar ela há três semanas atrás.

“Você realmente é um amor de pessoa, Inô. Logo reencontrará Adria bem ao seu lado.”

Conforme pedido, os lábios quentes estalaram na bochecha do coveiro o qual deu um último suspiro para se despedir da terra seca. Uma chama branca tornou-se presente na foice da menina, colhendo finalmente a alma do coveiro mais simpático dos cemitérios, cujo corpo estava repousado e protegido da luz sob os galhos da árvore sagrada do sertão.

Comentários