A batalha decisiva entre a luz e escuridão acontecerá. Arquitetada pelo maior antagonista, os heróis se preparam até o último momento do conflito, ainda cheio de incertezas sobre a capacidade ser suficiente a combater os portadores da escuridão. Enquanto tudo isso, o protagonista traça a jornada do começo, precisa recuperar o potencial  perdido antes de ter o essencial, adquirir o poder equivalente a um Mestre da Keyblade, poder capaz de salvar os amigos, sob certo custo.

Kingdom Hearts 3 finaliza o ciclo dos conflitos existentes desde o primeiro lançamento desta saga, gerados a partir da ambição do Mestre Xenahort. Publicado em 2019 pela Square Enix, os jogadores voltam a explorar os mundos de obras da Disney antes da batalha a encerrar o grande conflito da saga.

“Que o seu coração seja a chave que guia”*

A apresentação do enredo a seguir já vai considerar os aspectos abordados na análise anterior de outros jogos. Leia esta análise caso ainda tenha dúvida ou esqueceu da trama de Kingdom Hearts, senão pule esta parte caso queira evitar spoilers dos jogos anteriores.

Kingdom Hearts 3 - cena do jogo

Após os acontecimentos em Dream Drop Distance, Sora fracassa no exame de tornar um Mestre da Keyblade por sucumbir à escuridão. O amigo Riku conquista o título de Mestre no lugar, e Sora perde as capacidades adquiridas desde então, precisando recuperá-las antes de despertar o poder necessário para salvar Aqua, a Mestre Keyblade condenada no Domínio da Escuridão. Desta forma Riku e o Rei Mickey tentam resgatar Aqua conforme Sora busca recuperar seu potencial com a ajuda de Donadl e Pateta.

A busca acontece enquanto viaja pelos mundos correspondentes a cada obra da Disney. Sora encontra os protagonistas daqueles respectivos mundos e ajuda nos problemas pessoais deles, todos tendo algo em comum: as ameaças decorrem dos inimigos já enfrentados por Sora antes, os antigos e novos membros da Organização 13. Sem batalha direta com a Organização, é preciso vencer os monstros trazidos por esta ou pelos personagens antagonistas daquele mundo, esses também influenciados pelos arqui-inimigos de Sora e demais Guerreiros da Luz.

[Fim dos Spoilers dos jogos anteriores]

“Toda vez que há necessidade, a magia acontece. Este é o seu maior poder, Sora”

A progressão da história acontece igual aos jogos anteriores. O enredo focará no conflito de cada mundo explorado pelo jogador antes de dar atenção à trama decisiva, esta destravada praticamente no momento final da jornada, salvo certas informações soltas no meio da discussão do protagonista com um dos arqui-inimigos. Acontece várias interrupções ao longo da exploração do cenário apenas a dar espaços a cenas cheias de diálogos, quando o conflito vigente é explicado e oferece dicas de pontos cruciais no enredo. Por ser o jogo com a proposta de encerrar todo o ciclo e resolver o conflito já claro desde o começo, toda esta exploração paralela desanima acompanhar a aventura que poderia receber o foco ao longo de todo o jogo, enfrentar os membros do grupo adversário em vez de deixar as batalhas decisivas somente ao final. Em vez disso, acrescenta elementos à saga poucos aproveitados neste episódio, prováveis de serem retomados no lançamento do novo jogo da franquia com ameaças diferentes da atual.

hub do gameplay

A jogabilidade de combate oferece incontáveis possibilidades de golpes. Desde os ataques em sequência com a Keyblade, uso de itens, magias e invocações presentes desde o primeiro jogo, tem ainda recursos de Kingdom Hearts 2 e Birth By Sleep, além de habilidades novas. Sora pode invocar brinquedos de parque de diversão e usá-lo contra os adversários, também há a novidade de cada Keyblade despertar uma forma exclusiva à Sora, com novas combinações de ataques, habilidades distintas e golpe final devastador.

Pode aproveitar e abusar de tudo nesta jogabilidade de combate insistente em falhar com a câmera. Os inimigos ficam espalhados por todo o cenário, percorrem de longe até atingir Sora sem ser exibido na tela do jogo pelo jeito focalizado, ou ainda difícil de ver no meio de tantas luzes e acrobacias feitas pelos golpes tanto dos aliados tanto dos inimigos. Ao escolher uma ação de ataque, Sora atingirá o inimigo mais próximo ou de mira travada. Difícil dizer qual das duas opções é a pior. A primeira falha em corresponder o alvo mais próximo de Sora com o visível na tela do jogador, que tenta mirar no oponente à frente e se frustra pelo protagonista acertar em outra direção; caso decida travar a mira, também será travada no oponente mais próximo com o mesmo problema da opção anterior, precisando alternar o alvo várias vezes até marcar o desejado, e o problema ainda persiste em outros aspectos: alguns inimigos podem escapar da trava ao teletransportar, e ainda deixa armadilha no lugar, que obriga o jogador a desfazer a mira sob a penalidade de ser atingido caso a mantenha; também acontece de a câmera distorcer a tela ao exibir o inimigo marcado, e assim dificulta a visualização da movimentação de Sora, pelo menos isso acontece em momentos específicos também, sob alguns cenários de batalha mal planejados. E mesmo com todas essas frustrações, o jogo permanece fácil mesmo na dificuldade superior a da normal. Talvez ofereça desafio de verdade no modo de dificuldade máxima acrescentada em atualização, porém o desafio pode ser angustiante sob os problemas citados neste parágrafo por interferirem no desempenho do jogador.

“Então vá. As trevas nunca estão fora do alcance”

Quem gosta dos minigames presentes nos jogos anteriores vai apreciar ainda mais os existentes nesse. De grande quantidade e nos mais diversos estilos, muitos podendo ser aproveitados a qualquer momento, no ponto onde salva o jogo e ainda outros em determinados locais. Também há o modo foto bastante interativo, pois há tarefas específicas de tirar determinadas fotos em troca de poder fabricar novos itens, ou encontrar Símbolos da Sorte, desenhos com o contorno do Mickey espalhados pelo cenário em diversas formas, esses também dão recompensas conforme a quantidade de Símbolos encontrados, e ainda libera uma cena pós-créditos.

Kingdom Hearts 3 - foto

Caso persista nas diversas tramas paralelas, algumas com pontas soltas jamais amarradas nesta versão do jogo ― talvez a ser esclarecida via DLC, e isso continua sendo ponto negativo por deixar de entregar no produto principal ―, poderá desfrutar do conflito prometido desde o começo da jornada deste episódio. Evitarei detalhes, mas caso queira descobrir por si, pule este parágrafo. Ainda haverá novos acontecimentos antes do desfecho, outros elementos desperdiçados ao longo das aventuras nos mundos da Disney que adiam o embate final por acontecer tudo na última parte. As batalhas anteriores a do chefe final continuam fáceis, combatendo inimigos poderosos ao longo da saga, e agora desapontam pela fraqueza. Ao menos com Xenahort é diferente, toda a trama principal direciona a ele, dono de uma personalidade ímpar e condizente com o desfecho reservado a ele . O antagonista surpreende mesmo ao corresponder as ambições e atitudes mostradas desde o começo.

Kingdom Hearts 3 permanece preso em mecânicas ultrapassadas tanto em construção de enredo, tanto na proposta de jogabilidade que apenas acrescenta elementos sem aprimorar o posicionamento defasado da câmera nos jogos anteriores. Traz muitos mundos inéditos da Disney na saga, foca no conflito principal apenas no final, e traz tantos elementos novos de uma só vez a ponto de ficarem perdidos ou — o mais provável— pendentes a aproveitar nos próximos lançamentos.

“A vitória é saboreada apenas ao vencer de forma justa”

* todas as citações foram traduzidas pelo resenhista

Kingdom Hearts 3 - capaProdutora: Square Enix
Ano de Lançamento: 2019
Idioma: inglês (nenhuma opção em português)
Gênero: RPG de ação / aventura / fantasia
Série: Kingdom Hearts #3

Site oficial do jogo