Já contei no blog como a Inteligência Artificial pode ficar perigosa. Imagine se a tecnologia autônoma for também autossustentável e modifique os algoritmos do próprio comportamento?

Cria-se então outra espécie no planeta Terra, as máquinas conscientes, e elas superam a humanidade. Pessoas precisam sobreviver sem estar mais no topo da cadeia alimentar, menos ainda, todo o conhecimento vigente fica perdido nesse futuro distópico, e eles regressam na tecnologia e costume.

Horizon Zero Dawn traz essa realidade futurística. Lançado em 2017, conta a história de Aloy, uma moça exilada da própria tribo devido a sua origem desconhecida.

Guerrila Games é a produtora da franquia Killzone. Saiu da área de conforto de jogos FPS (tiro em primeira pessoa) ao desenvolver este RPG de mundo aberto e história complexa. 

Nós até vivemos, mas parados no tempo  

A humanidade reside em pequenas civilizações com costumes e crenças distintas. Com população escassa, a caçada é atividade comum a qualquer pessoa, e a sobrevivência é acirrada pelo perigo representado pelos seres tecnológicos.

As máquinas tem corpos semelhantes a animais, inclusive agem como tal, porém possui módulos tecnológicos fatais a humanos, portadores das armas rudimentares como arcos, lanças e armadilheiras, todas adaptadas com os recursos das máquinas destruídas.

Horizon Zero Dawn

Aloy foi condenada desde o nascimento pela tribo dos Nora, grupo comandado pelas matriarcas, três mulheres anciãs que prezam pela tradição da crença sob o domínio da Mãe-de-Todos. Rost é responsável por cuidar de Aloy, outro exilado da tribo, e ele a ajudará a ser aceita pelos conterrâneos e descobrir a sua origem. A jornada da descoberta da própria história levará Aloy além do território Nora, com muitas máquinas perigosas e bastante conhecimento da civilização antiga sobre a origem dos seres de metal.

Seria fascinante, se não fosse eu quem estão procurando 

A sociedade resume-se a grupos distintos e de orientações simples a partir da tradição seguida por todos. Violar os costumes é inaceitável, indiferente às conquistas feitas pelo indivíduo. É uma jornada árdua a Aloy para conseguir o respeito das pessoas.

Horizon Zero Dawn

Enquanto lamenta da dificuldade em ser aceita, ela aprende a sobreviver contra as máquinas. É capaz também de compreender a tecnologia ao seu alcance, como o Foco encontrado ainda na infância. Aprendizado é o melhor recurso da Aloy e do jogador, que pode aproveitar a vantagem de atingir pontos fracos das máquinas e derrota-las com quantidade menor de munições, ou desarmar determinado recurso do inimigo metálico e deixa-lo menos mortal. 

Os recursos são escassos e os seres de metal cruéis, até certo ponto. A progressão da personagem principal pode deixá-la com poder destrutivo superior a das máquinas. Perde o desafio caso explore todo o mapa do jogo, Aloy fica no topo da cadeia de sobrevivência, e então falha na premissa das máquinas serem tão perigosas assim, ao menos na dificuldade regular.

Sobrevivemos e prevalecemos, até falharmos em ambos 

O objetivo principal do jogo perde o foco com o mapa aberto, pois as missões secundárias, úteis para descobrir mais da civilização a partir dos NPCs, são mal distribuídas. O jogo tenta transmitir a personalidade de Aloy como alguém curiosa e altruísta ― esta última incentivada pelo Rost ―, porém a liberdade do jogador pode priorizar as tarefas secundárias, como se Aloy perdesse o interesse na própria história enquanto resolve o problema dos outros ou explora artefatos e informações antigas.

Horizon Zero Dawn

O altruísmo faz Aloy ajudar indivíduos com conflitos além da sobrevivência, como por exemplo pessoas com transtornos mentais, depressivos e suicidas. Por outro lado ocorre um suicídio no jogo que é martirizado quando deveria ser lamentado, pois passa a mensagem errada ao tornar tal alto heroico.

Já na progressão da campanha principal, Aloy desvenda a história do passado e encontra justificativas dos vários aspectos existentes no jogo. Quando parece haver um furo na construção do mundo, o jogo avança e traz outra informação que satisfaz a dúvida com revelações bem planejadas, alinham a realidade do passado com a situação vigente no jogo. Dados em áudio ou texto complementam as informações referentes à civilização antiga, essas defasadas com o objetivo da jornada, mas muito úteis de compreender a sociedade anterior.

Horizon Zero Dawn é o início de um universo a ser aproveitado em jogos posteriores, ou ao menos na sequência pendente. Distribui informações ao longo da campanha principal que apresenta ao jogador uma realidade interessante, com falhas na exploração mal distribuída do mapa para amarrar as diversas possibilidades do jogo ao tema proposto na ambição da protagonista. Torço na sequência melhorar neste aspecto, pois Horizon tem muito a oferecer. 

Comentários