Categoria: Aprendizado (Page 2 of 2)

Artigos com pesquisas realizadas

O Perigo do Herói

Herói é um ser idolatrado pelas suas conquistas, superam problemas impossíveis. Os heróis gregos têm origem divina e capacidades super-humanas, embora ainda tenha alguma característica reconhecível a pessoas comuns.

Em aventuras posteriores, os protagonistas das histórias possuem diversas origens, até pessoas normais, independente de classe social ou profissão. Esses seres de fortes princípios encaram jornadas no mundo desconhecido, se adapta e conhece novos aliados e inimigos, enfrentam uma provação com risco de perder suas vidas, mas no fim vencem e trazem ao mundo comum o prêmio e a mudança de vida.

Herói na jornada ao Santo Graal

Nem sempre enfrenta essas fases literalmente. O mundo desconhecido pode ser um bairro da cidade onde o herói nunca pôs os pés, ou nem é um lugar, como fazer parte de um novo grupo do trabalho. O prêmio não precisa de forma física, e sim algum aprendizado do herói ou sentimento capaz de refletir sobre a transformação do mundo depois da jornada.

Vale o mesmo ao inimigo. A imagem do adversário traz um conceito divergente do protagonista, bem como explora as fraquezas que o herói precisa superar. Às vezes o inimigo é o próprio temor do herói ou obstáculo, personificado em uma pessoa no papel de vilão.

Neste ponto entra o perigo de criar um herói no mundo real. O protagonista idealizado por pessoas de interesses em comum define um problema e atribui alguém como o culpado por toda a miséria. Tudo relacionado a este “ser maléfico” deve desaparecer, inclusive quem o apoia, pois também são malvados. Já o protagonista é o único capaz de derrotar esse mal, só que em vez da definição comum dos heróis desde a Grécia Antiga, este é livre de defeitos.

Muitas pessoas não gostam dos filmes da Marvel. E uma parcela desta mesma gente reproduz a plateia dos heróis da telona nas telinhas das redes sociais, interagindo com exaltações ao seu ídolo e condenação do suposto inimigo, tudo por uma falsa impressão de retornar ao seu mundo comum com a conquista de uma vida diferente.

Herói - WarMachine2018

#warmachine2018

É muito mais fácil, portanto verossímil, definir alguém ou uma ideologia como o responsável quando esta também quer resolver o mesmo problema, só defende uma alternativa diferente.

A mania de implantar o maniqueísmo jamais resolverá. Passa o sentimento de lutarmos pelo bem, por selecionarmos o herói correto para nos salvar e livrar a consciência de imaginar que nós não precisaríamos repensar nossas atitudes.

Este comportamento é capaz de desconsiderar a própria Jornada do Herói. Ignora a passagem pelo mundo desconhecido ao dizer que tudo não presta por lá, o ídolo deles já possui o elixir capaz de salvar a pátria desde o começo, sem passar por provações que definiriam a sua proeza.

Tudo é inimigo para eles, as pobres vítimas. Fazem tudo correto; exceto furar fila, sonegar imposto, comprar produto pirata, matar pessoas por não conseguir identificar seu gênero sexual, tomar benefícios do governo por meios contraditórios… Quem poderá defendê-los?

Criança e pai bêbado - Herói

Professores deixaram meu filho beber. São monstros!

Quando não há mais aquele inimigo, o problema permanece. O Brainiac perde, então os roteiristas dos quadrinhos trazem Darkseid para o Superman salvar o mundo de novo, ao invés de fazer o herói acabar com a fome com distribuição imediata de alimentos, ou abastecer um gerador de eletricidade sem abusar de recursos naturais graças a sua força e velocidade.

Existe a necessidade insaciável de ser um herói. Alguns bombeiros já provocaram os incêndios que combateram. Já foi analisado que não é um caso comum de um indivíduo com doença comportamental, inclusive é feito muitas vezes em grupos de profissionais. O objetivo passa longe de conquistar a identidade de herói, mas o causam para justificar sua utilidade, como gerar uma falsa demanda e justificar a aquisição de recursos ao seu batalhão.

Percebe o perigo de empenhar uma solução imediata, mas no fim salvar ninguém? O combate é muito mais difícil, bem chato inclusive, e não deve ser feito por uma pessoa. Todos precisamos ser os heróis das nossas histórias. Se até as jornadas fictícias, onde os outros personagens são apenas degraus para elevar o protagonista, não fazem sucesso comercial, a realidade é ainda mais cruel.

Então empunham suas espadas, protejam-se com armaduras, e aprendem a andar com as próprias pernas.


Saiba mais

Estudo sobre os bombeiro estadunidenses que provocam incêndios

Definição de Herói

Quatro exemplos de concepções de herói

Tirinha sobre como Superman poderia salvar o mundo de verdade

Vídeo do Canal do Slow sobre o bem e o mal

Rotina de Escritor (Reclusão? A que Custo?)

“Feliz é aquele capaz de viver da escrita, com espaço e tempo próprio, sem interrupção de outras pessoas.” Era o que eu pensava…

Enquanto mantenho meu emprego na área de informática e me dedico a este blog, eu busco oportunidades de elaborar e aprimorar as minhas próprias histórias. Invisto boa parte do meu tempo em leitura, esta sem faltar um dia, inclusive feriado e finais de semana. Já não consigo o mesmo com a escrita. 

É uma luta conseguir três dias livres numa semana para desbravar a tela branca do word, além de outros períodos pequenos quando edito os textos e as resenhas do blog. O emprego me toma o dia todo, chego esgotado em casa onde moro com meus pais, tento trabalhar com o meu notebook quando os bons velhinhos não precisam de mim e meus adoráveis cachorros não resolvam latir contra o outro. 

Menino Mau - rotina

Menino mau >:(

Fim de semana tenho a manhã comprometida com o rádio ligado da senhora minha mãe até a hora do almoço, só começo a escrever de tarde. Se eu fosse religioso, rezaria pelo bom senso da vizinha não explodir funk como se estivessem tocando na minha casa. E o mais incrível: não sei por que é tão fácil jogar videogame mesmo ocorrendo todos esses empecilhos. 

Tentei planejar uma mudança drástica, com melhores condições de ter o tempo desejado: morar sozinho. Poderia ter o espaço tão querido para desenvolver essa profissão, mas o custo tomaria quase tudo de mim, tanto no quesito financeiro como de desgaste. 

Desisti desta ideia e desanimei. Felizmente recuperei meu ânimo, precisaria ser grato por cada oportunidade de criar meus textos. Também fiquei curioso com a seguinte questão: os autores famosos conseguiam se empenhar numa rotina? Eles precisaram ficar reclusos? Pesquisei sobre a rotina de alguns deles, esses mostrados a seguir: 

Autores que não poderiam ser incomodados 

  • Charles Dickens sua necessidade pelo silêncio o fez abafar os barulhos de fora ao instalar uma segunda porta em seu local de criação. Seu espaço era organizado com critérios rigorosos, como a mesa de frente a uma janela já com os materiais de trabalho dispostos e enfeites próximos a si, como vasos de flores frescas e estatuetas; 
  • Liev Tolstói escrevia todos os dias com o objetivo de não perder o hábito. Trabalhava de forma isolada, ninguém tinha permissão de interrompê-lo, e todos os cômodos próximos deviam estar trancados; 
  • Mark Twain tomava café da manhã e já se isolava até o fim de tarde, nem almoçava. Se a família precisasse dele, tocava um instrumento de sopro; 
  • H.P. Lovecraft seu receio em relação a estrangeiros e racismo (infelizmente) inspiraram as suas histórias de horror. Lovecraft também era conhecido por ser tímido. 

HP Lovecraft - rotina

Nunca imaginei metodologias tão distintas como a desses autores. Analisando as abordagens de Tolstói e Twain, jamais colocaria tantos obstáculos a pessoas próximas por causa de minha carreira. 

Lovecraft conseguiu elaborar incríveis contos com seu isolamento, criou uma mitologia e o próprio mundo imaginado. Porém sejamos sinceros: os diálogos são raros em seus contos, e esses de fato não são o ponto forte de H.P., pois reflete na própria deficiência de se comunicar com outras pessoas. 

Autores com rotinas equilibradas 

  • Victor Hugo escrevia durante a manhã após tomar seu café numa pequena mesa de frente a um espelho. Ao encerrar a manhã, jogava um balde de água fria sobre a cabeça, se revigorava e fazia outras atividades pelo resto do dia; 
  • Haruki Murakami acorda às quatro horas da madrugada e criava seus textos por seis horas seguidas, pratica atividade física a tarde, lê e ouve música a noite, e dorme as 21h; 
  • André Vianco acredita que a rotina e disciplina são necessárias na realização de seus sonhos e controle de ansiedade. Escreve durante a manhã e realiza os outros trabalhos à tarde; 
  • Stephen King um exemplo de produtividade e quantidade de livros publicados, não exclui um dia da sua vida na escrita. Não para até atingir a cota de duas mil palavras diárias. 

Um espaço para chamar de meu - rotina

 Autores com limitações 

  • Franz Kafka trabalhava durante o dia e só escrevia quando todos da casa dormiam, às 22h ou 23h30 até 2h ou 3h da madrugada, já conseguiu se dedicar até às seis horas da manhã; 
  • George Orwell também mantinha outro emprego, incapaz de viver somente da publicação mesmo com o primeiro livro bem aceito. Encontrou um trabalho de horário flexível, e aproveitou o tempo livre nos romances, em torno de quatro horas diárias. Fez a distopia 1984 numa casa de fazenda remota já com a saúde debilitada, datilografando na cama; 
  • George R. R. Martin tem outros compromissos além dos romances e um modo de criar a história que compromete o tempo da conclusão de suas obras: ele se considera um autor tal como jardineiro, planta as sementes da sua história e observa como ela se desenvolve. 

O autor de Guerra dos Tronos tem consciência sobre a existência de dias produtivos e outros nem tanto, e é normal ser desta forma. Mesmo com a melhor ferramenta e eliminando distrações, haverá dias com somente uma frase na página, quem sabe menos. 

Sam Tarly - rotina

E há a Jane Austen 

A autora de Orgulho e Preconceito misturava a rotina com a da sua família. Escrevia na companhia de sua mãe e irmã durante o dia, de noite lia seu manuscrito em voz alta para a família. 

Dentre todos os exemplos de rotina, gostei mais da Austen por conciliar o seu trabalho com as outras pessoas da casa, sem restrições absurdas ou dificuldades aparentes.  

Agora pergunto: qual o problema de não conseguir adotar a rotina de Jane Austen na minha vida, ou a de Stephen King ou Vianco? Depois de conversas entre amigos, aulas relacionadas no meu curso de preparação do romance e reflexão nesses vários exemplos mostrados, respondo: nenhum. 

Veredito 

Cometi um erro grave ao pensar que eu precisava de uma rotina com espaço e tempo garantido. São com certeza fatores essenciais ao escritor, mas é um erro idealizar essas condições e deixar de ser grato com a minha produção mesmo com essas limitações. 

Dou total razão ao George R. R. Martin sobre dias bons e ruins. Certo dia formei três mil palavras em apenas um dia, por que me importei mais quando mal consegui escrever quinhentas palavras? Ainda preciso fazer a revisão do texto, e talvez essas 500 palavras sejam mais proveitosas do que as três mil do outro dia, a ponto de serem descartadas. 

Comemore os dias bons - rotina

Comemore os dias bons

A besteira continua por eu limitar a minha visão por causa desta dificuldade. Vi autores com rotina garantida, entretanto isso não impede de eles não terem outras dificuldades, nem mesmo sobre a qualidade de seus trabalhos. Já mostrei as críticas quanto a H.P. Lovecraft, o próprio S. King confessou sua dificuldade com a produção de Sob a Redoma e de seus problemas pessoais idênticos ao protagonista de O Iluminado, ou quando sofreu o acidente de carro, problemas que interferiram nos trabalhos literários. Mesmo eu elegendo seu livro como a melhor leitura do primeiro semestre de 2018, tenho ciência que a qualidade de seus livros diverge, nem todos são grandes obras, outros têm críticas negativas, assim como as obras de André Vianco ou dos demais autores citados. 

Prosseguirei na jornada de escritor enquanto me mantenho como técnico em informática. Aprenderei a agradecer por cada avanço em meus textos e continuar nesse trabalho. Mesmo se demorar mais tempo pelas minhas restrições, não preciso de pressa, mas sim de aproveitar a escrita enquanto ela acontece. 

Referências

Minimalism, Success, and the Curious Writing Habit of George R.R. Martin

George R.R. Martin’s friends explain the complicated reasons his next book might be taking so long to write

11 Writing Lessons From George R.R. Martin, Because There’s A Lot To Learn From ‘Game Of Thrones’

The Daily Rituals Of Famous Writers

George Orwell’s Writing Habits

Entrevista | André Vianco

Mitologia Indígena (que não é brasileira)

Pouco se fala das mitologias existentes no nosso país. Leitores e consumidores de modo geral estão acostumados a ver histórias sobre os deuses gregos, os egípcios, e ultimamente os nórdicos por causa do Kratos. Os artistas brasileiros também aproveitam de fontes internacionais para criar o seu trabalho, mas quando desenvolve obras com mitologias existentes onde moramos, ou eles são valorizados por trazer algo incomum, ou sofrem deboche por trazer algo inferior em vez das mitologias bastante conhecidas. 

Se o preconceito não é o bastante como limite ao acesso a cultura de povos presentes antes da intervenção europeia, a própria disseminação dessa cultura pode prejudicar o entendimento da mitologia indígena. Textos sem fontes definidas ou adaptações dos jesuítas que aproximavam as crenças indígenas com a cristã. 

Há também a dificuldade natural de haver uma visão distinta em cada tribo. Certos povoados tinham deuses distintos, ou sendo os mesmo com outros nomes e características distintas. Posso citar como exemplo os deuses Guaraci e Jaci, dependendo da tribo podem ser irmãos homens, um casal de gêmeos (sendo Jaci mulher) ou até terem relação incestuosa. 

Muitas dúvidas! - mitologia indígena

O objetivo deste breve artigo é apresentar os equívocos de alguns textos e apresentar o básico da mitologia que não é brasileira, mas de um povo indígena em específico: dos guaranis. Se abordasse as diversas mitologias indígenas no mesmo artigo iria complicar ao invés de elucidar sobre essa cultura. Considere este texto um ponto de partida capaz de ajudar um pouco na compreensão e desmistificar algumas afirmações. 

Tupã Cristão 

Tem-se a impressão do Tupã ser o deus principal da mitologia brasileira, assim como é Zeus e Odin com poder sobre o trovão. Isso se dá justamente pelos jesuítas quando tentavam aproximar a religião dos indígenas da cristã monoteísta. 

Mas como é história dos deuses contada pelos guaranis? A seguir um resumo: 

Guaraci* e Jaci são filhos gêmeos de Ñandecý com Ñanderuvuçú. Este último foi o criador do universo, criou um ser que virou seu auxiliar e a própria Ñandecý, o primeiro ser feminino. 

Ñanderuvuçú e seu auxiliar alternava seus trabalhos de criação do mundo com o acasalamento de Ñandecý, quando enfim engravidou dos meninos gêmeos. A mãe não reconheceu Ñanderuvuçú como o pai de seus filhos, e por isso ele se irritou a ponto de abandonar toda a sua criação e foi ao reino das trevas onde permanece até hoje. Ñanderuvuçú  impede o avanço das trevas, mas ele pode deixar essas irem ao mundo caso tenha vontade. 

Ñandecý precisou seguir em frente. Ainda grávida dos gêmeos ela se encontrou com os jaguares que querem devorar a ela e os bebês. A mãe morreu, mas os jaguares não conseguiram fazer mal aos dois bebês. 

Deuses criados por jaguar! - mitologia indígena

Guaraci e Jaci foram criados pelos jaguares até saberem por um papagaio sobre a morte de sua mãe, e assim os gêmeos se vingaram. Somente um jaguar fêmea sobreviveu, ela estava prenha e deu continuidade aos jaguares existentes até hoje (com ameaças de serem extintas). 

Os irmãos tentaram ressuscitar a mãe várias vezes, mas a falha persistiu. O processo corria bem, e Jaci se exaltava com a possibilidade de ter sua mãe, mas essa mesma alegria o desconcentrava a ponto de falhar na ressurreição, deixando a mãe morta. 

E onde entra Tupã nessa história?

Bem depois quando Ñandecý enfim é ressuscitada pelo Ñanderuvuçú e deu a luz ao deus. A presença de Tupã na mitologia guarani justifica a manifestação dos trovões e tempestades, mas passa longe da concepção do principal deus indígena. Eu não sou capaz de afirmar se ele é superestimado em relação a todas as culturas indígenas com a pesquisa feita. Só confirmo que na guarani não é o principal, e a versão mais difundida está sob influência cristã. 

O “Satanás” indígena 

Obviamente os jesuítas precisaram conturbar o conceito de algum ser indígena e torná-lo satanás. Atribuíram a Anhangá o papel de adversário do Tupã e relacioná-lo como alguém malvado. 

Todavia Anhangá é apenas um espírito protetor da floresta responsável pelo equilíbrio da vida. Ele até mesmo ajuda os caçadores que o presenteiam com oferenda e se a caça for para a subsistência dos humanos. 

Anhangá pode assumir formas de animais, como cervo (só que branco)

Anhangá pode assumir formas de animais, como cervo (só que branco e de olhos vermelhos)

Se os caçadores matam em demasia, assassinam filhotes ou animais que amamentam suas crias, o espírito se vinga de forma bastante perversa: Anhangá manipula a mente dos caçadores, cria ilusões e os confunde a caça com os próprios colegas, acabam se matando. 

A punição é severa e causa temor aos índios, por isso Anhangá foi eleito como o satanás pelos jesuítas. Porém esse espírito representa apenas o equilíbrio na vida, e ensina a respeitar os limites da caçada. 

Ficção não é mitologia 

Outra história difundida como parte da mitologia guarani é sobre Kerana e seus sete filhos. Algumas obras criativas usam a narrativa de Kerana como referência à mitologia, só que essa também não passa de uma ficção. 

Faz parte do livro Nossos Antepassados, do escritor paraguaio Narciso Ramón Colman. Escrita em espanhol e tupi, conta uma história com referências à mitologia guarani, mas não narra a mitologia em si. 

Não é necessariamente um motivo para diminuir a obra de alguém. Tal observação serve de esclarecimento que quando se refere a Kerana e seus filhos, está relacionando com outra obra literária ao invés de um mito do povo indígena, nada mais. 

Livro ≠ Mitologia

 


Não poderia afirmar e contestar os argumentos citados nesse texto sem citar de onde eu tirei as informações. A fonte principal foi o programa de podcast do canal Papo na Encruza em que Andriolli Costa esclarece sobre os equívocos transmitidos pelas redes (algumas até famosas). Não deixe de conferir esta e outras referências abaixo e saber mais das mitologias, pois ainda é pouco perto do conteúdo riquíssimo desses povos.

*Embora tratando sobre os povos guaranis, resolvi usar os nomes dos gêmeos em tupi, por serem mais conhecidos e fáceis de pronunciar

Referências

Papo na Encruza 17 (podcast)

Texto sobre Anhangá

As Lendas da Criação e Destruição do Mundo com Fundamentos da Religião dos Apopócuva-Guarani (pág. 47 a 67)

Classificação do risco de extinção aos jaguares (em inglês)

 

Inteligência Artificial: qual o perigo?

Inteligência Artificial (IA) sempre remete a tecnologia avançada. É difícil acreditar que já está presente na vida de muitos. Já é utilizada para reconhecer a nossa fala e traduzir a outro idioma, sugerir vídeos/produtos a partir do que consumimos, e está presente nos sistemas de chats de algumas empresas e nos celulares como Siri, Cortana e Google Now. 

Já algumas obras de ficção trazem previsões negativas com este tipo de tecnologia. A cada avanço tecnológico tem uma conspiração de se ter a Skynet no mundo real, ou faz alusão ao seriado Black Mirror, dentre outras com este tipo de abordagem. 

A discussão deste post é exatamente essa: tais histórias fictícias da Inteligência Artificial podem se tornar reais? É tão perigoso assim? 

robô - inteligência aritificial

Já adianto que não podemos colocar toda a atmosfera da IA no mesmo recipiente e julgar como um único objeto. Já comentei sobre alguns benefícios desta tecnologia no começo deste texto, e há muitos outros. Mas também existe fatores capazes de preocupar a segurança não de um país, mas da humanidade em si. 

Autonomia

A tensão aumenta quando pessoas influentes no ramo da tecnologia como Elon Musk e o recém-falecido Stephen Hawking alertam sobre o perigo da IA. Ambos concordam da capacidade desses sistemas superar a humana, e a tendência é aprimorar cada vez mais. 

Até esse ponto não há problema. O que realmente preocupa é a possibilidade da Inteligência Artificial agir de forma autônoma, ou seja, independentemente da decisão humana. 

Um sistema só será autônomo se os desenvolvedores assim o fizerem. Há quem defende que jamais alguém desenvolveria algo totalmente autônomo. Outros afirmam o oposto, e por isso é preciso determinar qual a melhor maneira de manter sob controle; tudo para garantir uma implementação consciente desse resultado. 

Armas Autônomas 

Mesmo não sendo completamente, já existem armas com diferentes níveis de capacidade autônomas. Tal tecnologia expande a possibilidade de eliminar vidas sem a intervenção direta do ser humano, além da possibilidade do sistema ser hackeado e apresentar comportamentos contrários ao implementado originalmente. 

Risk Inside - inteligência artificial

Empresas de robótica de todo o mundo já assinaram uma carta aberta direcionada às Nações Unidas com o objetivo de banir armas autônomas no âmbito internacional.  Ao contrário de armas nucleares, as armas com inteligência artificial não possuem recursos limitados e são constantemente barateados. A sua produção em massa é viável não apenas nos conflitos internacionais, mas para assassinar pessoas sob o comando de quem tiver tal tecnologia.

Já existem regulamentações que obrigue o controle de toda arma autônoma por um ser humano. A responsabilidade sempre caberá à pessoa, cujos princípios morais e comportamentos são julgáveis, ao contrário de máquinas. 

Porém a solução não se limita a atribuir responsabilidade aos humanos… 

O Poder de Decisão 

Os sistemas são capazes de tomar decisões por conta própria conforme o escopo de sua criação. Pense no carro autônomo: se não atribuir a capacidade de decisão no automóvel, é apenas um veículo comum totalmente dependente de motoristas. 

Cabe ao operador humano ter o poder sobre a decisão da tecnologia. A dificuldade está em como empregar o sistema de decisão na máquina. 

Responsabilidade humana - inteligência artificial

Os sistemas a princípio executam tarefas específicas, mas o aprimoramento constante expande as possibilidades de cognição e ação da tecnologia. O humano responsável precisa estar ciente do nível de complexidade da ferramenta utilizada e coordenar sua função de acordo com esse nível. 

O responsável também precisa supervisionar a execução da máquina. Mas a supervisão pode apresentar um problema: a taxa de erro do sistema é extremamente baixa, e isto traz um senso de segurança superestimado ao supervisor, e assim tem o risco de não perceber no momento certo quando algo de errado acontece. 

 

O limite desta capacidade está nas mãos da regulamentação, já que a tecnologia sempre está se aprimorando. Atribuir tal controle ao ser humano traz consigo falhas naturais e divergência na compreensão do potencial operatório e cognitivo da tecnologia.

Mesmo de forma indireta, acredito que a ficção pode ajudar na prevenção de se aprimorar tais tecnologias. Histórias distópicas podem alertar sobre o futuro (mesmo exagerando nas suposições) se não der o devido cuidado. Universos pós-apocalípticos podem mostrar a reconstrução do mundo sem repetir os erros cometidos.

Inteligência Artificial é uma tecnologia fascinante demais para se desenvolver armas. Espero que seu uso seja cada vez mais focado na preservação da vida, como já acontece em alguns casos.

futuro - inteligência artificial


Saiba mais

How much autonomy is too much for AI?

Here’s the real reason artificial intelligence could be a threat

Killer robots: World’s top AI and robotics companies urge United Nations to ban lethal autonomous weapons

When Should Machines Make Decisions?

Autonomous Weapons: an Interview With the Experts

Carta para Alan Turing

Mairiporã, 5 de março de 2018

 Para o cientista da computação e matemático Alan Turing

Esta carta é singular.

Eu deveria escrevê-la em inglês por ser o seu idioma nativo. Mas pouco importa, você nunca lerá. Morreu há mais de sessenta anos.

É estranho escrever uma carta a um morto? Ora, é estranho escrever uma carta hoje em dia! Esquisito ser julgado pelo que simplesmente é, mesmo sem ameaçar a segurança de ninguém. Você sabe do que eu estou falando, Turing.

Deveria ser uma mensagem a um suicida cujo trabalho eu admiro. Felizmente eu descobri através de minhas pesquisas esta mudança de perspectiva. Executaram a investigação de forma superficial, e a reavaliação do caso afirmou o acidente com cianeto, ao contrário da exposição voluntária. Nunca saberemos a verdade, apesar desta última declaração ser mais aceita.

Sim, estou aliviado em saber que escreverei um texto a menos sobre o suicídio. Pena ainda ter motivos em lamentar de certos episódios da sua vida.

Por desenvolver a máquina capaz de decodificar mensagens alemãs, a Segunda Guerra Mundial terminou alguns anos antes do esperado. Talvez outros eventos também fossem capazes de antecipar o fim, mas não se nega a sua contribuição quanto a isso. Só que o governo o recompensa anos mais tarde com julgamento só pela condição sexual!

Aviso que a situação está melhor esses dias, embora ainda haja preconceitos. Alguns precisam reafirmar o quanto são machos toda hora. Têm medo de a mídia converter crianças ao “homossexualismo”, como se fosse possível.

Quando dizem de peito cheio que jamais tocaria em coisa de viado, quero tomar o celular de suas mãos e lembrar como esta tecnologia é possível hoje somente pelos seus esforços, de um matemático gay que contribuiu muito na área da tecnologia da informação.

Esses infelizes podem afirmar: sem você, seria outra pessoa mais cedo ou mais tarde. Eles até têm razão, mas foi você o responsável. Devemos lidar com os fatos ao invés da probabilidade de ter sido de outra maneira.

Porém não adianta. É impossível convencê-los através de argumentos. Desconheço como fazer isso, na verdade. Ainda assim acredito, com trabalho de formiguinha, que isso ficará no passado. Não quero provar estar certo, só quero um lugar livre de preconceitos.

Pelo menos eles pediram perdão, está bem? O governo inglês assumiu o erro sessenta anos depois. Até criaram um jargão em seu nome para os demais que receberam pedidos de perdão após décadas por serem penalizados pela mesma legislação.

Se a condição sexual ainda é marginalizada, o mesmo não acontece com a história. Continua sendo homenageado com obras de ficção. Seus feitos também são estudados por calouros das faculdades de computação.

O Teste de Turing é utilizado até hoje. Na verdade é até uma referência bastante conhecida. Já apareceu num romance do Homem de Ferro. Tony Stark fez graça dizendo: “Todo mundo sabe o que é um teste de Turing, não?”

Você nunca lerá este texto. Esta carta chegará a qualquer pessoa capaz de acessar conteúdo online que demonstre o mínimo de interesse pelo meu trabalho ou o seu. Quem sabe alguém não caia de paraquedas e descubra quem o senhor é? Talvez eu consiga compartilhar meu aprendizado ao pesquisar de sua biografia e transcrever nesta carta.

Sem mais, desejo um futuro melhor à nossa humanidade.

 

Att.

DiRock S.


Saiba mais

Página da Wikipedia

Sobre Turing Law

Alan Salvou Milhões de Vidas

Morte Através de Acidente em vez de Suicídio

Astrologia (análise crítica)

Nossas vidas são seguidas com um roteiro? Comportamos igual aos scripts que nos é imposto conforme nosso nascimento?  

Neste artigo abordarei a questão da astrologia e sua presunção quanto à personalidade e previsões de indivíduos conforme a posição dos astros no momento do nascimento de cada um. 

É resultado de uma pesquisa honesta realizada por mim. Sem intenção de converter quem acredita e torná-lo cético, mas sim incentivar ao questionamento próprio. Para criticar é preciso saber, estudar; e feito isto agora compartilho o meu aprendizado. 

Meu caso

Signo de Escorpião - astrologia

Sempre soube que pertencia ao signo de escorpião, mas nunca me importei com isso. Minha opinião sempre foi contrária a superstições ou qualquer força sobrenatural (ou astral) que influenciaria sobre a minha vida. 

Entretanto usei o serviço de um site que me apresentou com uma amostra do meu mapa e fiz uma avalição. Não vou apontar qual o site nem colocar o texto deles na íntegra aqui. A intenção não é bater de frente com este site, e sim criticar os aspectos da astrologia. 

Começando com o pé esquerdo

A primeira explicação sobre a análise feita é que “muitas pessoas têm uma ideia errada sobre si mesmas.” Sinto muito, mas isso soou mais uma desculpa para caso eu não me identifique com alguma coisa dita no mapa astral. 

Deduções genéricas 

Há muitas frases nada objetivas, seus significados dependem da interpretação da pessoa. 

Exemplo: explicou como sou perfeccionista a ponto de cumprir tarefas com atenção e senso de detalhe (?) que deixa as pessoas admiradas. Capaz de detectar o defeito oculto e a falha fundamental. 

Nenhum defeito é oculto, sempre estará lá apesar de nem sempre identificarmos. Agora os termos “sensos de detalhe” e “falha fundamental” aparecem um tanto vagos para mim, na verdade interpretei como se as duas fossem contraditórias. Como posso ser detalhista e detectar apenas as falhas relevantes? 

What? - astrologia

Destaco a descrição que tenho ótima habilidade para comunicação interpessoal. Parece que a posição dos astros em meu nascimento não previu que eu sou gago. Mas já fui diagnosticado com problemas de dicção desde bebê. Ponto para a dedução médica baseada em diagnósticos científicos! 

A amostra do mapa astral ainda usou um recurso interessante: colocou meu nome antes de fazer uma pergunta final. Aquilo chamou minha atenção, como se estivesse alguém conversando comigo. Então lembrei que foi apenas o sistema do site que colocou meu nome de cadastro no meio do texto pronto e selecionado a partir dos algoritmos.

Com esta tentativa de aproximação automatizada, o mapa faz a seguinte questão: “até que ponto você tem medo de suas próprias emoções?” Se no começo da análise disse que as pessoas têm ideias erradas sobre as mesmas, por que encerrou com uma pergunta a mim sobre as minhas emoções? 

Presunção refutada? 

A minha análise individual do mapa astral não é o suficiente para contestar as afirmações do horóscopo.

Uma visão pessoal é apenas evidência anedótica. Eu como cético questionei cada afirmação, mas quem acredita pode aceitar o que foi considerado pelo seu signo. Ou seja, a aceitação da astrologia vem do viés de confirmação em cada pessoa. 

Por isso amplio minha análise com base em estudos científicos (links disponíveis ao fim do artigo). 

A posição das constelações já não é a mesma

Observatório - astrologia

As predições de personalidade e de cada dia na astrologia se baseiam nos posicionamentos dos corpos celestes. Mas a análise é feita com o posicionamento com o posicionamento registrado há mais de dois mil anos. 

Estudo recente registrou ao longo de um ano a posição do sol quanto as constelações. Não só os períodos de cada signo estão diferentes da astrologia, como eles também identificaram mais uma constelação ao longo do ano (Serpentário). Com esta análise deveria existir 13 signos com períodos diferentes, e esses podem variar em um dia dependendo do ano. 

Astronomia VS Astrologia

Os astrólogos alegam que os corpos celestes influenciam nossas vidas. Podem alegar os motivos que descrevem como acontecem, mas faz sob metodologia que não seja falseável. 

As descrições de personalidade são difíceis de testar pelas explicações genéricas. Como expliquei no meu caso, a interpretação dependerá mais do leitor em vez do mapa astral em si. 

Existem profissionais dedicados a estudar os mínimos detalhes da astrologia. Compartilham seus estudos em livros comerciais e eventos públicos. Mas jamais participarão de eventos relacionados a astronomia ou ciência em geral. Também não poderão publicar suas pesquisas em revistas científicas, já que essas são revisadas pelos demais profissionais e costumam retificar quando falhas são descobertas mesmo após a publicação. 

Quem acredita na astrologia o faz sem critérios críticos. Não fazem questionamentos e ignoram ideias contrárias. Afirmam sem testar. 

Os entusiastas da astronomia costuma ser o contrário. Não acreditam nesta, pois o conhecimento vem através do estudo. Descobertas vêm seguidas de perguntas. Não define nada sob ausência de evidências, e o que foi definido pode ser redefinido ou descartado a partir de novos estudos. Enfim, astrologia e astronomia tem a mesma relação entre verossímil e verdade. 

Astrologia funciona para alguém?

Na pesquisa feita pela University of West of England Bristol, quarenta e seis estudantes de ensino superior foram avaliadas. Elas recebiam previsões quanto ao relacionamento amoroso correspondente ao signo, essas elaboradas pela equipe. 

O objetivo era avaliar o quanto as estudantes eram influenciadas pelas previsões. Descobriu que a maior parte consultava o horóscopo com frequência, até checava o signo de seus pretendentes. Mas isso não influenciou na decisão da maioria. 

Apenas 15% assumiram a mudança de comportamento através das previsões. O “horóscopo” desenvolvido pela equipe de pesquisa funcionou nestas estudantes. Ou seja, o estudo evidenciou a densa influência sobre as previsões somente em quem acredita. 

Personalidade pode depender da data de nascimento sim!

A personalidade e a probabilidade de se ter alguma deficiência mental sofre influência de quando uma pessoa nasceu. Só que não é por causa dos astros.

Quem nasceu em períodos de inverno tem dificuldade em regular o próprio relógio biológico. Além da incapacidade de acompanhar o ritmo do dia, pode afetar o humor da pessoa. 

Claro que não é o aspecto determinante. Este é apenas um dos diversos fatores que podem influenciar no indivíduo.  

Enquanto a pesquisa alega apenas o aumento da probabilidade nesse período de nascimento, a astrologia traça um mapa completo da pessoa e do seu dia a dia. 

 Estatística - astrologia

Muitos gostam de acompanhar os textos segundo as análises obtidas através da astrologia. O pior problema é quando alguém segue literalmente o que lhe passam pelo horóscopo. Não deixe de amadurecer sua personalidade porque um mapa disse que você é assim por ter nascido sob a posição do sol nesses astros. O esforço individual é o que definirá realmente quem é.


Referências

AstrologyWhy Your Zodiac Sign and Horoscope Are Wrong 

Winter Birth May Affect Baby’s Personality: Mouse Study

Constellations: The Zodiac Constellation Names 

AstrologyIs it scientific? 

The effect of horoscopes on women’s relationships 

Hábito: conheça e domine

“Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves […]” 

 

As primeiras frases de Circuito Fechado do escritor Ricardo Ramos remetem ao que muitos de nós fazemos todos os dias de manhã. Sem sequer ter escrito uma frase com sujeito e verbo, já somos capazes de imaginar quais ações que o personagem está fazendo, e muitas delas nós também realizamos.

Fazemos tudo isso praticamente no automático. Não precisa pensar em cada um dos objetos para interagir, nem mesmo pensar em cada passo do que se faz de manhã. Sabe em que lado dos dentes começa a escovar? Pois é, nem planejamos por qual dente iniciamos, ainda assim escovamos sempre partindo do mesmo lado. 

Escovação diária - hábito

Essas e muitas rotinas são executadas sem um planejamento meticuloso. O nosso cérebro condiciona ações repetidas no automático, poupa a sua própria energia de ter que processar o que já ocorre inúmeras vezes. Este condicionamento do cérebro é o que se chama de hábito.

Características do Hábito

Sejam comportamentos bons ou ruins, mal pensamos e já fazemos. O objetivo principal é poupar esforço do que se faz com frequência enquanto dedicamos mais energia em tarefas novas e complexas. 

Sua estrutura é definitiva, embora as motivações e consequências têm muitas variedades. É um ciclo composto em três partes: 

  • Deixa: a condição que provoca o comportamento; 
  • Rotina: a ação do hábito; e 
  • Recompensa: o retorno positivo da ação tomada.

Analise os dois ciclos:

Acorda de manhã, vê os tênis de corrida (deixa), realiza a caminhada (rotina), e retorna satisfeito com o exercício concluído (recompensa). O cansaço do percurso atiça sua fome (deixa), abre a geladeira e come aquele pudim que sobrou da sobremesa de ontem (rotina), satisfeito pela refeição  (recompensa).

Corrida X Gula

Nestes dois ciclos consecutivos tivemos uma boa atitude e outra nada recomendada. A ânsia pela recompensa nos faz desejar o que tiver de mais agradável ao nosso alcance. O corredor pode até dizer não, mas já está levando o doce até a boca. 

Uma vez que sabemos o ciclo dos hábitos, podemos tentar mudar o comportamento e o ambiente de modo que consigamos manter as atitudes saudáveis.  

Para incentivar a caminhada, podemos deixar os tênis de corrida à vista e fácil de pegar. Qualquer obstáculo que nos faça ter de pensar, como tentar lembrar onde está o bendito do tênis, comprometeria nosso ciclo do hábito, e lá se vai a disposição para uma deliciosa caminhada.

O mesmo serve com o doce. Ao ficarmos cansados e vemos uma coisa saborosa fácil de alcançar, é difícil resistir à tentação. Pode ser possível negar a guloseima algumas vezes, e isso vai descarregar muita energia do cérebro para lutar com a recompensa do hábito. Uma hora vamos perder tal disposição, e renderemos à recompensa mais saborosa.

Em suma, a disposição do ambiente gera gatilhos no nosso comportamento. Quanto mais fácil for alcançar, maior a probabilidade de iniciarmos a ação. 

Uma vez que possuímos determinado hábito, não espere exterminá-lo em poucas tentativas. Esses não são destrutíveis, e sim substituíveis.

No próprio exemplo do lanche após a caminhada. Se o doce não estiver ao alcance, o corredor optará com outra comida para repor as energias. Basta que as opções saudáveis estejam mais fáceis de alcançar, e o comportamento será realizado de forma diferente, mas benigna. 

Este último exemplo é uma possibilidade, mas não servirá a todos. Se é alguém que come compulsivamente, pode precisar de tratamentos mais complexos, os que com certeza teriam de ser acompanhado por profissionais de saúde. 

O Meu Caso

Às vezes a fome nem é responsável por este anseio, o que eu particularmente pus em teste na última semana. 

Realizo alguns exercícios físicos todas as noites, uma luta intensa contra o meu sedentarismo. Não há muito o que me impede de fazer as flexões e abdominais diárias. Meu problema está após o exercício. 

Exausto, eu anseio por algo que me relaxe. Esta ansiedade atiça um dos meus piores problemas: a gula. Comia mais no final do dia do que quando chegava do trabalho ou no próprio almoço. E o pior: eu nem estava com fome. 

Tem como resistir? Mas é preciso

O desafio agora é trocar a minha rotina após me cansar com os exercícios. Substituir com algo agradável, de fácil alcance e relaxante. 

Felizmente a minha recente namorada está me ajudando com isto. Todos os fins de noites conversamos no chat, trocamos inúmeros elogios e mensagens de carinho. Condicionei-me a aceitar isto como a nova rotina que me dará a recompensa de poder descansar. Nestes primeiros dias de mudança parece estar funcionando, mas só saberei responder com certeza no futuro.

Esta mudança de ponto de vista não é o bastante. É preciso avaliar se eu realmente identifiquei os processos do ciclo deste meu hábito. Caso esteja correto, ainda pode demorar algum tempo.

O Milagre do Hábito (não existe)

Se pesquisar na internet, facilmente encontrará um número mágico de dias em que um hábito estaria modificado. Infelizmente não existe tempo definido. 

O artigo publicado pela European Journal of Social Psychology relatou um estudo com 96 voluntários que se propuseram a mudar algum hábito durante a pesquisa. Praticamente todos conseguiram mudar seu comportamento, mas o período que aconteceu variou de 18 dias a mais de 8 meses!

Muitas mudanças ocorrerão de forma gradual, com riscos de haver recaídas se não tiver o devido cuidado (como a disposição do ambiente). Fica mais perigoso se não estiver com a devida disposição.

Como melhorar

Com objetivo de incentivar a si mesmo, invista mais na sua recompensa, de modo que o deixe ambicioso por ela logo que comece a atividade. Igual o meu processo de relaxamento após os exercícios físicos: fico animado pela conversa divertida com a minha namorada assim que começo o meu alongamento.

Recompensa pela jornada

Outro exemplo de melhorar a disposição é se empenhar em mudar hábitos-chaves, estes que ao alcançá-los condicionam o corpo e/ou a mente de forma positiva a mudar os demais com facilidade. São hábitos como não dormir tarde, realizar atividades físicas, se tornar mais comunicativo ou mudar o modo de encarar as adversidades. Qualquer atitude contra o sedentarismo, procrastinação, ou desânimo dará mais forças a cumprir outros desafios. 

Anotar as tarefas do seu dia-a-dia também pode ajudar. Como o cérebro quer economizar energia, este não ficará pensando constantemente o que deve ser feito. Com o hábito de anotar suas necessidades e inserir no local de fácil visualização (para estimular a deixa), vai visualizar e se programar a cumpri-las (rotina), e ao ser feita pode retirar ou riscar a anotação com a sensação de um dever cumprido (recompensa).

A forma com que as anotações são feitas variam de acordo com o perfil de cada um. Desde post its a listas feitas em documento de texto ou em aplicativos próprios. Eu costumo usar um programa que mistura as tarefas diárias com um jogo online.

Habitica

Habitica é um jogo com características de RPG em que o usuário possui um personagem corresponte com atributos próprios do estilo de jogo, como pontos de vida, experiência, mana, força, constituição, inteligência e persistência. 

Habitica - logo

No jogo você mesmo cria os objetivos em três categorias: hábitos, tarefas diárias e tarefas a cumprir. Sempre que concluir uma tarefa ou realizar hábitos positivos, seu avatar ganhará pontos de experiência que elevarão seu nível e aperfeiçoará os atributos, além de ouro para comprar itens no jogo (como armaduras e equipamentos) e uma chance de conseguir item especial (ovos de animais de montaria e alimentos para os mesmos). 

Por outro lado, cada tarefa diária que deixou de fazer ou admitir ter feito um hábito ruim, o seu personagem perderá pontos de vida.

Ao participar de um grupo, é possível realizar missões com outros usuários, em que deve derrotar um chefe ou encontrar itens a partir do cumprimento de tarefas, mas se uma pessoa do grupo falhar em suas tarefas e hábitos, todos perdem vida.  

As missões garantem prêmios únicos quando concluídas. Aliado a punição de todo o grupo se alguém vacilar, são ótimos incentivos a melhorar seus hábitos. 

Conheça e Domine

O que aparenta ser uma forma de seu cérebro ficar ocioso e ocupar menos esforço com tarefas repetidas e agradáveis, pode também prejudicar uma pessoa no futuro.

Felizmente é possível utilizar desta característica para o nosso benefício, ao tomar ciência do porquê fazemos certa ação em determinado momento, é possível burlar suas próprias regras e adaptar com iniciativas mais saudáveis.

Shia LaBeouf - JUST DO IT!


Links Recomendados

O Poder do Hábito (Charles Duhigg) – clique e veja a resenha do livro 

Trecho de Circuito Fechado (Ricardo Ramos)

How are habits formedModelling habit formation in the real world

Habitica

Nerdcast sobre Hábito

O Grande Problema de 2018

Comentei no post anterior sobre a perspectiva de um ano melhor no que diz respeito ao aspecto pessoal. Um ponto de vista em que deve prevalecer com o intuito de não se desmotivar e ajudar o próximo em troca de uma simples gratidão. 

Já este artigo tem um objetivo diferente.

Noooooooo! - O Grande Problema de 2018

Chegamos na metade do primeiro mês no ano e já ouvi comentários do tipo: “Se 2017 foi ruim, se prepara pelo pior em 2018.” Infelizmente pode ser verdade.

É o ano de eleição dos nossos representantes federais e estaduais. Escândalos políticos são transmitidos por grandes veículos de imprensa, também em páginas e grupos menores nas redes sociais. A imagem geral da população é que nada se resolve neste país.

Infelizmente muito disso é um reflexo das nossas ações e omissões. Uma população desinformada não conseguirá impor demandas possíveis ou denunciar o que de fato está errado. Um povo pouco crítico não avalia o conteúdo divulgado na sua tela, compartilha inverdades, e debate com xingamentos no lugar de argumentos. 

Nunca se teve tanta informação como hoje. É realmente difícil de assimilar tanto conteúdo. Só que infelizmente muitos fazem um péssimo uso desta variedade. Selecionam os que são verossímeis, o que seu guru diz, ou o que os números apontam. 

Elenco a seguir os piores problemas que já existem e podem se agravar neste ano de copa. Não é uma imposição, pois não sou dono da verdade. Apenas aconselho a caso se identificar com um dos tópicos, reveja seus conceitos. Não mudaremos a situação do nosso país sem começar a transformação em cada um de nós. 

Expectativa X Realidade

O Brasil foi o segundo país com a maior população que possui falta de conhecimento sobre a realidade de onde mora.  

Negativo - O Grande Problema

O instituto Ipsos fez um levantamento em 2017 com 38 países. Questionou cerca de 29 mil pessoas sobre a porcentagem de ocorrências em determinado assunto em relação ao país onde vive, além de algumas questões de abrangência internacional. Foram perguntas como taxas de homicídios, nível de pessoas com diabetes, gravidez na adolescência, e atentados terroristas. 

As respostas tiveram valores superestimados. Os brasileiros imaginam a situação do país muito pior do que é na realidade. Provavelmente um resultado das muitas notícias negativas, estas que possuem bem mais impacto que as positivas.

Com a população desentendida da própria realidade, a prioridade não ficará direcionada aos problemas que de fato acontecem. Um exemplo: priorizar a educação quanto a prevenção de gravidez na adolescência — cuja taxa real é 6,7% contra a presunção de 48% — em vez da prevenção contra acidentes provocados pelos motociclistas, estes correspondentes aos 74% dos acidentes de trânsito de janeiro a novembro de 2017.

A instituição disponibilizou um quiz com algumas perguntas levantadas nas entrevistas (infelizmente as perguntas estão em inglês, mesmo no quiz do Brasil). Eu fiz o questionário tanto na realidade do nosso país como nos Estados Unidos, e preciso rever minha perspectiva: acertei três de oito no quiz do Brasil, mas cinco nos EUA.

Oito perguntas não são o suficiente para apontar todos os aspectos da sociedade em nosso país (seis se considerar que duas são de abrangência internacional). Ainda assim já aponta que eu também preciso rever meu ponto de vista e buscar mais informações do que acontece no Brasil. 

Conhecimento científico da população 

O Instituto Abramundo avaliou o nível de conhecimento científico de cidadãos moradores das regiões metropolitanas do Brasil. 

Na pesquisa foi definido quatro níveis de proficiência: 

  • Nível 1 – Letramento não-científico: assimila informações explícitas de contexto cotidiano, sem domínio de termo ou aplicação científica; 
  • Nível 2 – Letramento científico rudimentar: resolve problemas de interpretação e comparação com informações científicas básicas; 
  • Nível 3 – Letramento científico básico: capaz de resolver problemas a partir de evidências científicas apresentadas de forma técnica em diferentes contextos; e 
  • Nível 4 – Letramento científico proficiente: são capazes de argumentar sobre hipóteses, conhece unidades de medidas e tem consciência de assuntos do meio ambiente, saúde, astronomia ou genética.

Yeah, Science!

No resultado da pesquisa, 64% dos cidadãos possuem no máximo nível 2. Somente cinco de cada 100 tem um letramento científico proficiente. 

O instituto distribuiu essas variáveis em outras classificações, como renda, escolaridade, profissões, idade e outros. Senti uma dor no peito ao ver que dos profissionais de educação, apenas 10% são do nível 4; além dos profissionais de saúde com apenas 8% no maior nível, e a metade correspondente desta profissão está no letramento rudimentar. 

Como disse antes, a quantidade de informação exposta é absurda, seja elas verídicas ou verossímeis. Considerando o conhecimento científico da maioria ser de nível regular, infelizmente é de se esperar que muitos são levados a teorias conspiratórias e curas milagrosas.

Realidade Transformada pela Inteligência Artificial

O avanço nos sistemas de inteligência artificial expande cada vez mais as possibilidades de criar conteúdo. Infelizmente também pode gerar materiais perturbadores. 

Algoritmos de aprendizado de máquina e um computador moderado já é o suficiente para trocar o rosto de uma pessoa em um vídeo. Já circulam pela internet vídeos pornográficos com rostos de atrizes famosas de cinema, quando na verdade é apenas uma atriz pornô que teve sua face substituída no vídeo. 

Mulher Artificial

A inteligência artificial é alimentada com inúmeras fotos da celebridade, todas disponíveis na internet. Tais fotos são colocadas, quadro a quadro, no lugar do rosto da profissional do vídeo com uma expressão semelhante. 

Existem falhas no material, e nem precisa de um olhar tão atento. Há momentos em que o rosto não aparece ou fica desalinhado, e os lábios não estão de acordo com a fala. Porém isso pode ser entendido como um problema do arquivo de vídeo, ou simplesmente não ser levado em consideração na hora de compartilhar no “zap”.

E se combinar a troca de rosto com simulação da voz de uma pessoa, mesmo ela nunca ter dito algo do tipo? Isto já é possível com os recursos disponíveis.

Fora os vídeos eróticos com celebridades…

Não percebeu o perigo? Considere este cenário: um vídeo editado com uma pessoa qualquer, onde o rosto é substituído pelo presidente dos Estados Unidos e a fala é programada com a voz do mesmo. Ainda está tudo bem por ser um político que despreza? E se trocar pelo seu político favorito? Ou pelo seu cantor? 

É um recurso viável e pode destruir a imagem de uma pessoa defensora do ponto de vista diferente. Além do debate político aconteceria uma disputa de vídeos artificiais constrangedores. #IstoÉMuitoBlackMirror

Bots na Política

A eleição presidencial de 2014 teve o maior número de interações de usuários online neste período com relação as campanhas anteriores. É possível que a população realmente estivesse mais engajada do que nunca. Mas as redes sociais também foram transbordadas por bots.

Inúmeros perfis falsos foram criados a partir de programas, cujo algoritmo instruía interações nas redes sociais com curtidas, compartilhamentos, e até comentários.

Pessoas falsas

Empresas oferecem este tipo de “serviço”, e são fáceis de serem encontradas. Poderiam garantir 3.000 curtidas na fanpage por duzentos reais, ou 10.000 likes em único post com R$90,00.

Os dois antagonistas da eleição (Dilma e Aécio) utilizaram bots em suas campanhas, tendo o Aécio usado mais deste recurso. Os perfis de algoritmos continuaram após a eleição, e participaram das campanhas relacionadas ao processo de impeachment da presidente. 

Este cenário político de 2014 foi o início, 2018 com certeza será pior. Os perfis falsos bagunçam as estatísticas das próprias redes sociais. Geram falsos engajamentos que irão levar esses conteúdos a pessoas reais, estas que irão acreditar nas notícias falsas, vão priorizar campanhas que são fora da realidade, e não serão capazes de distinguir a veridicidade da verossimilhança. 

Quem poderá nos defender? 

Estes foram os tópicos destacados, capazes de causar o grande problema deste ano: a ignorância. Muitos aspectos contribuem para que os indivíduos permaneçam alienados enquanto são bombardeados com notícias e matérias falsas, mas que entregam o conteúdo já esperado. O conteúdo que “mostra a verdade do meu inimigo” e “enaltece o meu guru salvador.” 

É como aquela casa de espelhos do parque de diversões. Só que em vez de surgir imagens distorcidas de você mesmo, são telas com informações nada realistas que serão impostas ao seu redor. Pelo menos a solução pode ser a mesma de uma casa de espelho normal: olhe os próprios pés. 

Avalie a si mesmo. Compreenda qual o seu nível de conhecimento e procure ampliá-lo. Não compartilhe opiniões sem analisar se o autor é de fato um humano, questione a vericidade do conteúdo. Veja além dos números nas redes sociais, enxerga as pessoas que estão por trás daquelas telas.

2018 needs you!

2018 needs you!

Serei sincero o bastante e afirmarei que 2018 não terá jeito. O período de eleições será transbordado de calúnias e ataques de ódios entre opositores. Vai atingir pessoas sem relação com partidos só para alavancar a imagem do seu próprio.  

Mas se começar a mudar a perspectiva hoje, seremos uma população mais crítica amanhã. Não iremos engolir o que é propagado por máquinas só com a intenção de danificar a imagem alheia. Vamos focar no conteúdo, saber interpretá-lo e traçar uma opinião com base no conhecimento. Respeitar o próximo acima de tudo.

E isto não será fruto de uma utopia, um sonho. Será o resultado de muito trabalho e reavaliação.


Referências

Perigos da Percepção 2017

Boletim Estatístico de Janeiro a Novembro de 2017 (DPVAT)

Indicador de Letramento Científico (2014) 

AI-Assisted Fake Porn Is Here and We’re All Fucked 

Computational Propaganda in Brazil: Social Bots during Elections 

Literatura – Estréia do Blog

Seja muito bem-vindo ao primeiro post do XP Literário! 

O artigo de estreia deste blog não poderia ser outro senão uma contextualização de Literatura, especialmente quanto ao seu significado. 

O dicionário Aurélio define Literatura por “escritos narrativos, históricos, críticos, de eloquência, de fantasia, de poesia, etc.” 

O dicionário de Oxford também considera Literatura todo trabalho escrito que possua algum mérito artístico. 

Acredito que muitas pessoas concordam com estas definições. Outros complementariam como trabalhos que incitam emoção durante a leitura e/ou representações dos comportamentos humanos através dos escritos. 

Emoções na leitura - literatura

Ou seja, Literatura é baseada em cada trabalho realizado através da escrita, correto? Talvez não exatamente. 

Bob Dylan recebeu o prêmio Nobel de Literatura em 2016. Apesar do cantor ter trabalhos publicados em livros, as suas composições musicais foram as principais responsáveis por ele merecer a indicação. 

Nem o próprio músico alegou que produzia Literatura com suas músicas. E ainda assim foi premiado em meio a outros escritores renomados. 

O trabalho reconhecido de Dylan não é composto apenas de palavras. Mesmo sendo possível ler a letra da música, só provoca uma emoção singular quando a escutamos com melodia.

Bob Dylan - Literatura

Ao pesquisar mais sobre o significado de Literatura, constatei que simplesmente não há uma definição exata. Seu significado muda conforme a época ou pela opinião individual de quem a consome. 

Ainda assim há quem desconsidere que música seja Literatura, e está tudo bem.

Enquanto uns mantiverem um posicionamento mais restritivo, eu particularmente tomarei o significado de forma mais livre ao trabalhar neste blog. Mesmo as obras que não são consideradas Literatura podem ser úteis a mesma. 

Um trabalho de ficção científica precisa levar em consideração os conceitos discutidos e testados no meio acadêmico para trazer uma história verossímil mesmo que faça adaptações de licença poética. 

Adicionar os elementos burocráticos da advocacia numa obra protagonizada por um advogado também é um exemplo que traz um reconhecimento da vida real para os leitores desta ficção. 

Os trabalhos áudio visuais (cinema, animes, curta-metragens ou até certos jogos eletrônicos) também usam a Literatura como um dos elementos de seu trabalho.

Aspectos como enredo, desenvolvimento de personagens, e a identificação humana podem cativar o público com a obra possuindo mais do que boas cenas de amor, lutas frenéticas ou uma ambientação espetacular.

Texto sobre o desenho - Literatura

Eu vou me basear nesta visão abrangente nas próximas publicações deste blog. Os contos, crônicas e análise sobre livros serão intercalados com artigos de pesquisa e uma visão sobre o elemento literário em obras de outros campos [Saiba mais sobre a minha proposta neste link] 

Assim serei capaz de compartilhar a Experiência Literária obtida ao conferir e desenvolver trabalhos relacionados, além de compartilhar do pouco que aprendo sobre tudo que possamos descobrir enquanto vivemos.

 

Referências:

Bob Dylan Nobel prize speech: this is ‘truly beyond words

Bob Dylan finally accepts Nobel prize in literature at private ceremony in Stockholm

Isso é Literatura? (Li Num Livro)

Definição no Dicionário Aurélio

Definição na Oxford Dictiocnaries

What is Literature?

Newer posts »

© 2020 XP Literário

Theme by Anders NorenUp ↑