Já estamos em 2019. Eu sei, já é tarde anunciar o ano novo após quase cinquenta dias de estreia. Só o faço porque o grande problema de 2018 continua mesmo após o réveillon. Publiquei o artigo há mais de um ano falando como a ignorância dos brasileiros frente ao conhecimento pode prejudicar muitos aspectos de nosso país. Ninguém é obrigado a saber de tudo, e eu demonstrei as minhas falhas no outro texto e propus a todos nós procurar melhores informações. A copa do mundo passou, o novo presidente já assumiu os trabalhos e já retirou a bolsa de colostomia, e a ignorância permanece.

Fácil de notar a insistência deste problema quando os brasileiros engoliam rajadas de fake news durante a eleição, e ainda assim vemos algumas até hoje. Enquanto estivermos a mercê da ignorância, esta permanecerá como o Grande Problema de 2019. Eu também persistirei nesta discussão, e este post agregará argumentos para outra situação: a disputa onde a informação perde de 7 a 1 contra a influência.

Há grandes chances de nossos filhos, sobrinhos, pais e mães sofrerem influência da ideologia dos comunicadores da mídia. Não mais a tradicional, mas a descentralizada da internet. Longe de partir dos professores ou de cientistas, e sim de YouTubers.

Os criadores de conteúdo da maior plataforma de vídeos vigente são os responsáveis por tirar cidadãos de bem e crianças das questões importantes da sociedade, além de problematizar pontos inúteis de discussão onde leva a lugar nenhum, na verdade tira o foco do essencial.

Plataforma de vídeos — e influências

A Google disponibilizou o relatório pomposo, cheia de orgulho do alcance propagado pelos produtores de conteúdo no YouTube. O número de visualizações só aumenta, pessoas dedicadas a disponibilizar vídeos no site conseguem rendimentos capazes de manter a vida financeira, são a fonte favorita de mídia para saber de assuntos específicos ou conteúdos agradáveis a quem assiste. Perdem em influência apenas contra amigos e familiares, os espectadores confiam mais neles do que no jornalismo tradicional e na TV aberta. Sabe os temíveis professores e cientistas influenciadores? Eles existem, com certeza! Apenas não em proporção suficiente a ponto de nem se destacar entre os demais setores da estatística.

O relatório exalta o alcance do YouTube com objetivo de divulgar o mecanismo de patrocínio entre os produtores de vídeo e as marcas interessadas em anunciar produtos. E de fato os YouTubers são excelentes em engajar os espectadores a conferirem as novidades anunciadas nos vídeos — fator destacado no relatório — e mal precisa observar muito quanto a eficácia da influência. E o problema existe bem aqui. Os produtores são excelentes em convencer o público fiel deles a seguirem dicas, garantem a visibilidade da marca através de patrocínio, e vão além de propagar produtos e serviços de empresas.

Ideologias são conjuntos de ideias vendidas a quem acredita nelas, e os YouTubers sabem vendê-las. Além disso, estão cientes de como seu público aceita o que assiste sem checar a realidade proposta no vídeo. Eles também não sugerem aos fãs como se informarem, ou melhor, citam apenas as “fontes confiáveis” cujas pessoas compartilham do mesmo interesse defendido pelo produtor, além de demonstrar os pontos contrários de modo que eles soem fúteis a sua audiência. Pouco importa, o público já está cativo de seu conteúdo e tomará o discurso como verdadeiro, quando na verdade é apenas verossímil. Apresentar meios de obter informações além dos influenciadores é ineficaz, esmurrar a ponta da faca machucaria menos.

Existe solução?

Refutação honesta

Segundo um estudo feito através de estudantes sobre pseudociência, a melhor forma de desmistificá-la é apontando as suas características e as falhas. Sem editar fragmentos do argumento no intuito de torná-lo bobo, nem diminuir o locutor da mentira por nível social ou campo ideológico. Apenas a apresentação honesta da ideia equivocada lançada pelo influenciador, e a exposição sincera das informações necessárias para provar o erro.

O estudo trata de pseudociências, e vejo como alternativa a qualquer informação defasada por YouTubers, afinal eles mesmo já operam desta forma, exceto que eles manipulam os argumentos contrários de modo a aparecer fracos contra os deles.

Há as suas limitações. Pelo estudo analisar um caso de estudantes, o resultado vem de evidências anedóticas, mas pelo menos essas são possíveis de replicar. Como o  artigo publicado ano passado neste blog que analisa as características da astrologia e o motivo de elas serem falsas, apresenta os pontos defendidos por ela e em seguida traz argumentos contrários, ou ao menos provocam reflexões de como a astrologia depende mais da influência do que a veridicidade das informações.

A crença na astrologia ainda persiste mesmo depois de eu publicar meu artigo, nem meu post sobre fake news destruiu a propagação de notícias falsas, muito menos o texto do Grande Problema de 2018 nos salvou da ignorância. Eu sempre dedico esses textos com intuito de colaborar com a discussão demonstrando a minha interpretação das fontes consultadas (lembre de conferir as referências deste artigo também). Quero influenciar ninguém, no máximo incentivar o pensamento crítico. Sigo neste trajeto de debate, pois a trilha é longa e oferece oportunidades de aprendizado quando a percorremos.

Referências

O poder dos YouTubers

Texto do André Azevedo sobre a (má) influência dos YouTubers

Confrontar pseudociências faz sentido?

Effect of Critical Thinking Education on Epistemically Unwarranted Beliefs in College Students

Comentários